Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Bielorrússia aguarda a chegada de 9.000 soldados russos ao país

Aliado russo na guerra contra a Ucrânia diz que ação é 'exclusivamente defensiva' para proteger a fronteira entre os territórios

Internacional|Do R7

Presidente da Bielorrússia ,
Alexander Lukashenko
Presidente da Bielorrússia , Alexander Lukashenko Presidente da Bielorrússia , Alexander Lukashenko

O Ministério da Defesa da Bielorrússia informou neste domingo (16) que espera a chegada de cerca de 9.000 soldados russos para compor o grupo militar conjunto da União Estatal russo-bielorrusso diante do aumento das tensões com a vizinha Ucrânia.

"O número total (de soldados russos) será de pouco menos de 9 mil", escreveu no Twitter o chefe do departamento de Cooperação Militar Internacional da entidade militar, Valery Revenko.

O representante da Defesa lembrou que na véspera começaram a chegar "os primeiros comboios com soldados russos que compõem o agrupamento russo-bielorrusso".

"O destacamento levará vários dias", acrescentou. Neste domingo, o serviço de imprensa do Ministério da Defesa anunciou a chegada dos primeiros aviões russos que vão integrar o grupo.

Publicidade

"O componente aéreo do agrupamento regional de forças da Rússia começou a chegar à República de Belarus", informou o serviço de imprensa do Ministério da Defesa de Belarus no Telegram.

Anteriormente, o vice-comandante do Estado-Maior General das Forças Armadas de Belarus, Viktor Tumar, disse que a decisão de ativar o grupo conjunto russo-bielorrusso visava reforçar a proteção da fronteira ucraniana, e destacou que se tratava de um projeto "exclusivamente defensivo".

Publicidade

Na semana passada, Lukashenko anunciou que havia concordado com a criação do referido grupo com o presidente russo, Vladimir Putin.

"Tendo em vista o agravamento da situação nas fronteiras ocidentais da União Estatal, concordamos em implantar um grupo regional (militar)" de ambos os países, disse.

Publicidade

Em seguida, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, pediu a Minsk que pare de apoiar a "operação militar especial" da Rússia.

A Ucrânia acusa Belarus de cumplicidade na atual campanha militar russa em curso, ao ceder seu território ao exército invasor para lançar ataques no país vizinho.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.