Brasil lamenta mortes na Ucrânia e pede diálogo para solução da crise política

Pelo menos 26 pessoas morreram nos confrontos em Kiev

O Ministério  das Relações Exteriores divulgou nota nesta quarta-feira (19) lamentando as mortes ocorridas na terça-feira (18) e hoje na capital da Ucrânia, Kiev, devido aos confrontos entre forças de segurança do governo e manifestantes. Pelo menos 26 pessoas morreram. De acordo com o Itamaraty, o governo brasileiro acompanha com preocupação a deterioração do quadro político e institucional no país.

"O governo brasileiro conclama todas as partes envolvidas a dialogar. A crise política na Ucrânia deve ser equacionada pelos próprios ucranianos, de forma pacífica e com base no respeito às instituições e aos direitos humanos", diz a nota.

Violência 'consentida' abre caminho para divisão da Ucrânia em duas

Com mortes em protestos e capital em chamas, Ucrânia vive cenário de guerra. Saiba por quê

Sobe para 26 número de mortos em protesto na Ucrânia

Nesta quarta-feira, a alta comissária das ONU (Nações Unidas para os Direitos Humanos), Navi Pillay, expressou preocupação em relação à crise ucraniana e pediu que as partes se controlem ao máximo para evitar a escalada de violência. O papa Francisco pediu que as partes cessem a violência. 

Os Estados Unidos, por meio do secretário de Estado, John Kerry, avaliaram que a violência é inaceitável e que a questão não será solucionada com "derramamento de sangue". A Rússia condenou os protestos e acredita que a oposição quer conduzir um golpe de Estado.

A crise política na Ucrânia começou no final de novembro, quando milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra a decisão do presidente Viktor Yanukóvich de suspender os preparativos para assinar um acordo de associação com a União Europeia e reforçar os laços com a Rússia. Depois de algumas semanas de trégua nos confrontos, nos últimos dois dias os enfrentamentos voltaram a ocorrer, especialmente na capital do país.