Internacional Jornalista ucraniano morre após 40 dias em coma por espancamento

Jornalista ucraniano morre após 40 dias em coma por espancamento

Vadim Komarov foi agredido no dia 4 de maio e estava inconsciente desde então. Komarov fazia denúncias sobre a corrupção em Tcherkássi

Jornalista ucraniano morre após 40 dias em coma por espancamento

Tcherkássi fica situada 200 quilômetros ao sul de Kiev

Tcherkássi fica situada 200 quilômetros ao sul de Kiev

Reprodução/Pixabay

O jornalista Vadim Komarov, que foi agredido na cidade ucraniana de Tcherkássi no último dia 4 de maio, morreu após passar 40 dias em coma, informou o presidente da União de Jornalistas da Ucrânia, Sergei Tomilenko, em seu perfil no Facebook, nesta quinta-feira (20).

"O jornalista de Tcherkássi, Vadim Komarov, brutalmente espancado no centro da cidade em 4 de maio, morreu na madrugada. Desde que foi atacado, Vadim estava inconsciente", disse.

Segundo Tomilenko, o ataque ao jornalista se deveu às suas atividades profissionais, já que suas denúncias sobre a corrupção na cidade, situada 200 quilômetros ao sul de Kiev, incomodavam alguns políticos locais.

"A agressão física contra os jornalistas na Ucrânia se encontra em um nível inaceitavelmente alto. E a impunidade sistemática promove novos ataques", lamentou.

O presidente da União de Jornalistas exigiu uma proteção real e não só de palavra dos direitos dos jornalistas ucranianos, e lembrou o assassinato de Pavel Sheremet, em julho de 2016 em um atentado com carro-bomba em Kiev.

O representante da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa para a Liberdade de Imprensa, Harlem Desir, também reagiu à morte de Komarov e ressaltou que o jornalista "foi um conhecido profissional dos meios de comunicação que informou sobre temas de importância pública durante muitos anos, expondo a corrupção e os abusos de poder".

Segundo o deputado Aleksandr Radutski, citado pela agência UNIAN, Komarov, que em 2016 sobreviveu a um atentado, escreveu uma série de artigos sobre roubos de fundos de orçamentos, construções ilegais e corrupção.