Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Zelenski classifica ataques russos a centrais de energia como 'crime contra a humanidade'

Presidente da Ucrânia exigiu uma reunião emergencial com os países que formam o Conselho de Segurança da ONU

Internacional|Do R7

Presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, durante coletiva de imprensa
Presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, durante coletiva de imprensa Presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, durante coletiva de imprensa

O presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, disse nesta quarta-feira (23) ao Conselho de Segurança da ONU que os ataques aéreos russos contra a rede elétrica ucraniana são um "notório crime contra a humanidade".

"Quando temos temperaturas abaixo de zero e dezenas de milhões de pessoas sem abastecimento de energia, sem calefação, sem água, isto é um notório crime contra a humanidade", disse por vídeo ao Conselho, reunido em uma reunião de emergência em Nova York.

Nove meses depois da invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro, o presidente Zelenski denunciou a "fórmula de terror" imposta pelas forças armadas de Moscou.

Diante de um Conselho de Segurança impotente, Zelenski afirmou que a comunidade internacional não podia "ser refém de um (Estado) terrorista internacional", referindo-se ao poder de veto da Rússia, que bloqueia qualquer resolução contra a ofensiva russa na Ucrânia.

Publicidade

"A morte de civis, a destruição de infraestruturas civis, são ações terroristas. A Ucrânia continua exigindo uma resposta determinada da comunidade internacional para estes crimes", escreveu mais cedo no Twitter o presidente ucraniano, reivindicando uma reunião de emergência com os 15 membros do Conselho de Segurança.

Os ataques russos a infraestruturas ucranianas provocaram interrupções maciças de eletricidade e água, especialmente na capital, Kiev, causando ao menos seis mortes, o desligamento de três usinas nucleares e afetaram até a vizinha Moldávia.

Segundo as forças aéreas ucranianas, a Rússia lançou cerca de 70 mísseis de cruzeiro contra o país, dos quais 51 foram derrubados, assim como cinco drones camicazes. Os alvos eram infraestruturas estratégicas, enquanto as temperaturas baixas do inverno chegam à Ucrânia.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.