Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Homem suspeito de assédio em boate é solto após ter liberdade provisória concedida pela Justiça

Suspeito deve permanecer a, no mínimo, 500 metros da vítima e não pode manter contato pelas redes sociais

Minas Gerais|Lucas de Carvalho * e Richard Souto*, da Record TV Minas

Homem nega as acusações
Homem nega as acusações Homem nega as acusações

O homem suspeito de assediar uma mulher na casa de festas Chalezinho, na madrugada do último domingo (25) deixou o sistema prisional nessa segunda-feira (26), depois de ter a liberdade provisória concedida pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Ele estava no Presídio Inspetor José Martinho Drumond, em Ribeirão das Neves, na Grande BH. 

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp

• Compartilhe esta notícia no Telegram

Segundo informações do Boletim de Ocorrência, o suspeito teria afirmado para amigos que a vítima era namorada dele e apalpou as nádegas da mulher, que tentava ir ao banheiro. Outras mulheres teriam presenciado a cena e confirmado o assédio. 

Publicidade

Os seguranças da boate realizaram a abordagem do suspeito até a chegada dos policiais, que efetuaram a prisão em flagrante.

O álvara de soltura foi emitido sob a exigência de que o suspeito compareça mensalmente perante a equipe multidisciplinar do Ciamec (Centro Integrado de Atendimento à Medidas Extra Custódia) pelo período mínimo de 3 meses, prorrogável por mais 3 meses.

Publicidade

Ele ainda está proibido de sair de Belo Horizonte e Contagem, município em que reside, por pelo menos 30 dias, sem autorização judicial e tem o compromisso de manter o endereço atualizado e comparecer a todos os atos do inquérito e ação penal que possa vir a ser instaurada.

Além disso, o suspeito vai ficar em recolhimento domiciliar noturno durante os dias úteis, no período entre 20h e 06h, e em período integral aos sábados, domingos e feriados, pelo prazo de 6 meses.

Publicidade

Há também uma proibição de que o homem se aproxime da vítima, devendo manter uma distância mínima de 500 metros, além de não poder manter qualquer contato, inclusive pelas redes sociais.

*Estagiário sob supervisão de Antonio Paulo 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.