Rio de Janeiro Filha da 'Rainha das Plásticas' vai à delegacia e nega ter desaparecido

Filha da 'Rainha das Plásticas' vai à delegacia e nega ter desaparecido

Patrícia Granjeão apareceu voluntariamente na 20ª DP (Vila Isabel). Mais cedo, a mãe disse que não via a filha há dois dias

  • Rio de Janeiro | Mariene Lino, do R7*, com Record TV Rio

A filha de Wania Tavares, conhecida como 'Rainha das Plásticas', desmentiu à Polícia Civil do Rio nesta quinta-feira (7) que estivesse desaparecida há dois dias.

Patrícia desmentiu a versão da mãe

Patrícia desmentiu a versão da mãe

Reprodução/Record TV Rio

Patrícia Granjeão, de 26 anos, se apresentou na 20ª DP (Vila Isabel), onde o caso havia sido registrado, e disse que jamais esteve sumida.

Mais cedo, em entrevista à Record TV Rio, a mãe dela informou que não via a jovem há dois dias após Patrícia sair de casa no Grajaú, zona norte do Rio de Janeiro.

Wania havia dito que o último contato com a filha foi por um aplicativo de mensagens. Ela teria afirmado que dormiria na casa de uma amiga por conta do horário, mas Wania foi posteriormente informada de que Patrícia nunca esteve lá.

Além disso, amigas próximas à jovem informaram à mãe que não haviam tido contato com ela nos últimos dias. Ainda de acordo com Wania, a filha saía pouco de casa nos últimos meses devido à quarentena.

"Ela é toda certinha, não sai de casa desde março. Está estudando em casa e é muito caseira. Ela também tem animais, e eles ontem estavam sem comida, então ela sumiu mesmo", disse Wania.

A mulher chegou a fazer um apelo e pediu que quaisquer informações sobre a filha fossem passadas a ela.

"Pelo amor de Deus, entre em contato comigo, eu quero minha filha viva", disse.

A 'Rainha das Plásticas' foi indiciada em dezembro pela morte da cantora Fernanda Rodrigues, conhecida como MC Atrevida, após uma hidrolipo em julho do ano passado. No procedimento, foi retirada gordura das costas para injetar nos glúteos. Wania e o médico Wilson Jara, responsável pela cirurgia, vão responder por homicídio doloso, quando há intenção de matar. A clínica foi interditada.

Em entrevista exclusiva à Record TV Rio em agosto de 2020, Wania declarou que a clínica não tinha irregularidades e que o médico que operou MC Atrevida era habilitado para realizar o procedimento. No entanto, segundo a polícia, Wilson Jara só tinha registro ativo em ginecologia no Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro).

*Estagiária do R7, sob supervisão de Paulo Guilherme

Últimas