Rio de Janeiro Mulher que denunciou jogadores por estupro recebe ameaças: "Rio é pequeno, viu?"

Mulher que denunciou jogadores por estupro recebe ameaças: "Rio é pequeno, viu?"

Amigo de vítima e funcionários de hotel onde crime teria ocorrido prestaram depoimento nesta sexta-feira (30), na 4ª DP

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo*, do R7, com Anabel Reis, da Record TV Rio

Mulher que denunciou estupro de jogadores recebeu ameaças em rede social

Mulher que denunciou estupro de jogadores recebeu ameaças em rede social

Reprodução/Record TV Rio

A Polícia Civil colheu, nesta sexta-feira (30), o depoimento de dois funcionários do hotel da zona portuária do Rio de Janeiro onde três jogadores do Botafogo-SP teriam estuprado uma mulher de 27 anos na madrugada de segunda (26). Um amigo da jovem, que estava com ela pouco antes do caso, também foi ouvido pelos agentes.

A Polícia Civil não divulgou o conteúdo das oitivas, mas o delegado Vinícius Domingos, titular da 4ª DP (praça da República), informou à Record TV Rio que já é possível afirmar que a mulher foi vítima de violência sexual.

A jovem declarou que, após denunciar o crime, passou a receber ameaças através das redes sociais. Em mensagens, ela foi acusada de querer ganhar dinheiro com a repercussão do caso.
"Você quer ganhar dinheiro em cima disso. Não esquece que você fica na noite no Rio. Estamos de olho", diz um dos recados.

"Oportunista do [palavrão]. Rio é pequeno, viu? Lembra disso", afirma outra mensagem.

As ameaças serão registradas junto à polícia.

Representante de defesa de João Diogo Jennings, a advogada Graciele Queiroz informou ao R7 que está em processo de leitura do inquérito e que o atleta vai prestar seu depoimento na próxima segunda-feira (3).

Queiroz afirmou, por meio de nota, que as acusações contra seu cliente "não passam de uma busca enlouquecida por engajamento nas redes sociais" e declarou que João Diogo é inocente.

Segundo as investigações, a vítima conheceu um dos jogadores em uma boate na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, onde ele comemorava a vitória do time em uma partida disputada em Resende, no interior do estado.

A mulher teria concordado em ir até o hotel onde o atleta estava hospedado, onde tiveram relações consensuais. No entanto, a vítima relatou que, durante a madrugada, outros dois jogadores, incluindo João Diogo, entraram no quarto e a forçaram a fazer sexo com os três.

A mulher afirmou que, após negar, passou a ser agredida pelo trio e que recebeu uma mordida no seio, além de ter sido xingada repetidamente.

Em nota, o Botafogo-SP declarou que rescindiu o contrato com o jogador que levou a mulher até o hotel. O clube afirmou aguardar a conclusão das investigações para decidir quais atitudes serão tomadas com os outros dois envolvidos, que receberam punições disciplinares.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas