Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

TJ-RJ determina que homem que torturou namorada por três dias em Copacabana vá a júri popular

Fred Henrique causou traumatismo craniano e fratura na mandíbula de companheira, que ficou cinco dias internada

Rio de Janeiro|Rafaela Oliveira, do R7*, com Record TV Rio

Fred Henrique torturou namorada por três dias com cassetete, soco inglês e mata leão
Fred Henrique torturou namorada por três dias com cassetete, soco inglês e mata leão Fred Henrique torturou namorada por três dias com cassetete, soco inglês e mata leão

A Justiça do Rio de Janeiro acatou o pedido do Ministério Público para que Fred Henrique Lima Moreira vá a júri popular. Ele é réu no processo de violência contra mulher após torturar a namorada durante três dias em Copacabana, zona sul da cidade. 

Segundo a jornalista Ana Luiza Dias, de 37 anos, esta foi a segunda vez que Fred a agrediu. Ela teria sido violentada em dezembro, mas não fez registro da ocorrência porque foi manipulada a dar uma segunda chance ao parceiro. Em cárcere privado no apartamento do criminoso, a vítima sofria o golpe mata-leão quando tentava gritar por socorro

Além disso, Ana Luiza foi agredida com cassetete e soco inglês na região da cabeça, causando traumatismo craniano, fratura na mandíbula e diversos hematomas pelo corpo. Ela conseguiu fugir depois que o autor saiu do imóvel e esqueceu a porta aberta.

Ela permaneceu internada por cinco dias para se recuperar dos ferimentos. O relacionamento dos dois tinha oito meses. De acordo com o relato da vítima, Fred apresentava um comportamento agressivo.

Publicidade

Ele já possuía anotações criminais por violência doméstica, tráfico de drogas, associação ao tráfico, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e ameaça. No dia 3 de abril, Fred Henrique foi preso por policiais da 12ªDP (Copacabana), com um mandado de prisão temporária pelo crime de violência contra mulher.

Levado à audiência de custódia no dia 5 de maio, foi mantida a prisão temporária pelo TJ-RJ. Devido à gravidade do crime cometido contra a namorada, Fred irá a júri popular.

Publicidade

Violência contra mulher

Registros do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos apontam que, nos primeiros quatro meses de 2022, pelo menos 172 mulheres morreram vítimas de femincídio no Brasil. Em mais de 60% dos casos, os assassinos eram parceiros e ex-parceiros. 

Já de acordo com a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, foram recebidas mais de 50 mil denúncias de violência contra a mulher no país desde o início do ano.

Publicidade

Para denunciar a violência contra a mulher, o governo disponibiliza o canal 180. O serviço é gratuito e funciona 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. Há o cadastro e encaminhamento de casos aos órgãos competentes, como delegacias especializadas. 

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.