Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Após quase perderem diploma por curso sem cadastro no MEC, alunos celebram registro para trabalhar

Dentistas não conseguiam registro que os reconhecesse como profissionais da área e ficaram sem emprego por quatro meses

São Paulo|Isabelle Amaral, do R7

Alunos de odontologia foram informados no início do ano que a faculdade não podia aplicar o curso
Alunos de odontologia foram informados no início do ano que a faculdade não podia aplicar o curso Alunos de odontologia foram informados no início do ano que a faculdade não podia aplicar o curso

Os ex-alunos da primeira turma de odontologia da Unip (Universidade Paulista) Marquês foram, por quatro meses, impedidos de exercer a profissão, ficaram sem trabalhar e perderam oportunidades de emprego porque o curso não tinha reconhecimento pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura). Após a denúncia e reportagem polêmica feita pelo R7, a faculdade foi atrás de resolver toda a documentação necessária e finalmente conseguiu validar o diploma dos formandos.

"Esses meses que passamos sem trabalhar poderiam ter sido evitados se tivessem resolvido antes. Confesso que foi tanta burocracia até aqui que, quando vi que estava tudo regularizado, até duvidei", comentou uma das integrantes da turma, que preferiu não ser identificada.

MEC confirmou a aluno que o curso não era reconhecido
MEC confirmou a aluno que o curso não era reconhecido MEC confirmou a aluno que o curso não era reconhecido

Desde 2019, a turma inteira se dedicou, em tempo integral, à formação como dentista. No fim de 2022, os alunos acreditaram que o esforço seria recompensado, já que eles sairiam dos laboratórios onde eram realizadas as aulas práticas, sob supervisão dos professores, para finalmente trabalhar em clínicas odontológicas e seguir na carreira.

Para exercer a profissão, todo dentista formado precisa obter o registro do CRO (Conselho Regional de Odontologia). Quando os ex-alunos enviaram os documentos para ter a certidão que os reconhece como profissionais da área, no entanto, foram informados de que o curso não era reconhecido pelo MEC e que eles poderiam ter o diploma invalidado por esse motivo.

Publicidade

Depois de quatro meses tentando resolver burocracias com a faculdade, o CRO, o CFO (Conselho Federal de Odontologia), perdendo oportunidades de emprego pela falta do registro e acionando advogados em busca de seus direitos, a turma finalmente foi informada de que a documentação entre a faculdade e o MEC estava regularizada.

"Eu descobri que podia fazer o CRO porque mandei mensagem pelo WhatsApp do conselho para perguntar se essa situação havia sido resolvida e, quando o atendente disse que sim, não acreditei e fui ver no site", menciona a agora, oficialmente, dentista.

Publicidade

Mesmo com o site do conselho mostrando a opção de registro para alunos da Unip Marquês, o que não havia antes, a ex-aluna não acreditou que pudesse dar certo.

"A gente conseguiu fazer a inscrição, mandou os documentos e, graças a Deus, o CRO agiu muito rápido e agora já está tudo certo", afirmou. A jovem conta, ainda, que vai entrar na segunda semana já trabalhando como dentista em uma clínica.

Publicidade

Agora, o processo para obter esse registro deve ser mais simples para os futuros alunos de odontologia formados pela Unip Marquês, já que a turma que fez a denúncia era a primeira a realizar o curso na unidade.

Unip diz que tem reconhecimento do MEC para aplicar o curso no campus em 2018

Em nota à reportagem, a Unip informou que o campus Marquês tinha reconhecimento para aplicar o curso desde 2018. A instituição ainda afirmou que todos os documentos necessários foram enviados para a "inclusão do curso de odontologia do campus Marquês junto ao CFO (Conselho Federal de Odontologia) e CRO-SP (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo)".

Mesmo assim, os alunos ficaram sem o registro por quatro meses. Questionada na época da denúncia, a universidade informou que o procurador institucional da Unip iria entrar em contato com o MEC para regularizar a situação.

Para os alunos, a "denúncia divulgada pelo R7 foi a mola propulsora para resolver o problema".

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.