São Paulo Conta de água vai ficar 3,4% mais cara a partir de agosto em SP

Conta de água vai ficar 3,4% mais cara a partir de agosto em SP

Reajuste para usuários da Sabesp vinha sendo adiado há três meses. Publicado no Diário Oficial desta quinta, aumento entra em vigor em 30 dias

  • São Paulo | Do R7

 Medida foi anunciada no Diário Oficial de São Paulo, nesta quinta-feira (16)

Medida foi anunciada no Diário Oficial de São Paulo, nesta quinta-feira (16)

Pixabay

A conta de água vai ficar 3,4% mais cara para clientes da Sabesp em todo o estado de São Paulo em agosto. A Arsesp (Agência Regulatória de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo) anunciou o reajuste das tarifas de água e esgoto. A medida foi publicada no Diário Oficial de São Paulo nesta quinta-feira (16) e entra em vigor em 30 dias.

Leia também: SP prevê de 1.962 a 6.962 novas mortes por covid-19 até fim de julho

De acordo com a Arsesp, o reajuste vinha sendo adiado há três meses. O valor leva em conta um reajuste tarifário anual de 2,4924% e um ajuste compensatório de 0,8881%.

Veja também: SP multa apenas 16 empresas e 4 pessoas por falta de uso de máscara

Usuários da Sabesp podem ser beneficiados pela tarifa social. O benefício vale para quem tem renda familiar de até 3 salários mínimos, que habita com a família uma área útil construída de 60 m², tem consumo de energia elétrica de até 170 kWh/mês.

Leia também: MPF entra com ação contra a União por preservação da Cinemateca

A regra também se aplica a quem está desempregado e recebeu última remuneração de no máximo de 3 salários mínimos - neste caso o período máximo de concessão da tarifa é de 12 meses. O benefício vale ainda para quem mora em habitação coletiva considerada social, como cortiços e unidades verticalizadas.

Em nota, a Sabesp disse que, sobre o reajuste, a companhia esclarece que cumpre o que determina a Arsesp e que o reajuste anual foi postergado para este mês de julho. Ainda segundo a Sabesp, em função da pandemia, este ano o reajuste, que seria em maio, foi adiado por três meses para ultrapassar a parte mais difícil da quarentena.

Últimas