'Foi muito cruel', diz avó do menor atirado em córrego por policiais

Um vídeo gravado por moradores mostrou três policiais junto ao corpo. Dois inquéritos já foram instaurados para apurar operação 

Melquesedeque, de 16 anos, foi uma das quatro pessoas que morreu na operação

Melquesedeque, de 16 anos, foi uma das quatro pessoas que morreu na operação

Reprodução/ Record TV

A avó de Melquesedeque Romualdo dos Santos, de 16 anos, que teria sido morto e atirado em um córrego por policiais durante uma operação na comunidade de Dique do Caxeta, em São Vicente, falou a Record TV sobre o vídeo do episódio: "Foi uma crueldade da parte deles. Muito cruel. Além do menino estar baleado ser jogado ali daquela forma no canal".

Melquesedeque tinha parado de estudar e não trabalhava. Ainda segundo a avó, a namorada dele teria descoberto há poucos dias que estava grávida. "O menino já estava baleado, não tinha necessidade de jogar um ser humano da forma como fizeram com o meu neto", lamentou.

Outras quatro pessoas morreram na ação, que também deixou um ferido. Um morador do local gravou o episódio, que mostrou três policiais jogando algo semelhante a um corpo no corrégo próximo ao local. O ocorrido se deu depois de dois disparos serem ouvidos na mesma gravação.

A Corregedoria da Polícia Militar abriu um inquérito sobre o caso para analisar as imagens e o que ocorreu durante o confronto. A Polícia Civil afirmou que morte por intervenção policial é uma ocorrência grave e que também vai instaurar um inquérito para apurar as circunstâncias do tiroteio.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública), os policiais envolvidos no caso já foram afastados das atividades nas ruas.

Leia mais: Por dia, 4 PMs são afastados para tratamento psicológico após mortes

Versões diferentes

Em nota, a Polícia Militar confirmou que houve um confronto na comunidade Dique do Caxeta, em São Vicente. Segundo o órgão, dez homens armados atiraram contra policiais do BAEP (Batalhão Especial da PM), que revidaram. Confirmaram ainda a apreensão de armas, rádios de comunicação e drogas.

Leia mais: PMs em serviço ultrapassam marca de 500 mortos em nove meses

Porém, familiares do menor morto afirmam que os agentes de segurança chegaram ao local atirando. Em relação ao corpo encontrado no córrego, moradores e familiares da vítima também divergem das versões das autoridades. Enquanto o vídeo mostra o corpo sendo atirado na água, os policiais afirmaram no Boletim de Ocorrência do episódio que o Melquesedeque caiu no local.