Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Irmãos são sequestrados e torturados por 8 dias em 'tribunal do crime' do PCC em São Paulo

A polícia recebeu uma denúncia anônima e foi até o cativeiro. Os agentes libertaram os reféns e prenderam quatro suspeitos

São Paulo|Do R7, com Record TV

Homem foi resgatar o irmão e acabou torturado
Homem foi resgatar o irmão e acabou torturado Homem foi resgatar o irmão e acabou torturado

Dois irmãos foram sequestrados e torturados por oito dias em um julgamento paralelo — conhecido como "tribunal do crime", feito, principalmente, por lideranças do PCC (Primeiro Comando da Capital) para julgar integrantes da facção que cometeram algum tipo de infração —, em Hortolândia, no interior de São Paulo (assista à reportagem completa abaixo).

De acordo com informações apuradas pela Record TV, a polícia recebeu uma denúncia anônima e foi até um carro estacionado no meio de um conjunto habitacional invadido. No veículo, os agentes encontraram sangue e acionaram o reforço para inspecionar a região.

As imagens das câmeras corporais dos policiais registraram o momento em que eles revistam os apartamentos, até que, em um deles, começa uma gritaria. Quatro suspeitos são obrigados a se deitar no chão. Dois reféns, muito machucados, são liberados.

As vítimas contaram aos agentes que foram torturadas durante oito dias e que haviam passado por sete cativeiros.

Publicidade

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

Segundo os policiais, os homens presos fariam um julgamento dos reféns, que são irmãos, e só estavam esperando o aval de criminosos de alto escalão da facção para executar a sentença.

O fato foi descoberto pelos agentes quando eles conseguiram acessar uma conversa em um aplicativo de mensagens usado por integrantes do PCC.

Publicidade

Ainda segundo a polícia, o alvo era apenas um homem, porém o irmão tentou resgatá-lo e passou a ser julgado no tribunal do crime.

Um dos suspeitos detidos foi solto, pois a polícia não encontrou provas da participação dele no crime. Já os outros três foram condenados, mas tiveram a autorização da Justiça para responder em liberdade.

Responsável por pânico em SP, rebelião por transferência de líderes do PCC completa 17 anos

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.