Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Polícia investiga se vazamento de gás provocou explosão de prédio em Campos do Jordão (SP)

No sábado (22), dez apartamentos foram atingidos e quatro pessoas ficaram feridas, sendo duas em estado grave

São Paulo|Do R7, com informações da Record TV

Explosão em Campos do Jordão deixa 4 feridos
Explosão em Campos do Jordão deixa 4 feridos Explosão em Campos do Jordão deixa 4 feridos

A Polícia Civil investiga se o vazamento de gás provocou uma explosão no condomínio Saint Etienne, no Morro do Elefante, em Campos do Jordão, no interior de São Paulo, no sábado (22). Dez apartamentos foram atingidos, e quatro pessoas ficaram feridas, sendo duas em estado grave. 

Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Nesta segunda-feira (24), o imóvel - que foi interditado pela Defesa Civil - foi periciado por uma equipe do Instituto de Criminalística, que vai determinar as causas do acidente. O caso foi registrado como explosão e é investigado pela Delegacia de Campos do Jordão.

Continua após a publicidade

À Record TV, o comandante do Corpo de Bombeiros Fabrício Lemos afirmou que provavelmente a explosão foi provocada pelo vazamento de GLS, popularmente conhecido como gás de cozinha, em um apartamento. Além do aquecimento interno, a unidade tinha uma lareira, que era abastecida aquecida pelo gás.

Apesar de o condomínio ser residencial, a maioria dos proprietários alugam os apartamentos para turistas. Até a publicação da reportagem, não há informações sobre o dono do imóvel onde a explosão começou.

Continua após a publicidade

Leia também

Vítimas

De acordo com a SSP (Secretaria de Segurança Pública), as vítimas foram socorridas pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e pelo Corpo de Bombeiros e encaminhadas ao pronto socorro da cidade. "Uma vítima menor de idade foi encaminhada à cidade de Pindamonhangaba para atendimento médico", ainda informou a pasta.

Uma das vítimas, identificada como Renata dos Santos, de 24 anos, precisou ser transferida para o Hospital Beneficência Portuguesa, na capital paulista. Ela teve 70% do corpo atingido por queimaduras de primeiro grau, que são mais superficiais.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.