São Paulo Como ocorrerá com a Sabesp, conheça o processo de privatização da água na França e na Alemanha

Como ocorrerá com a Sabesp, conheça o processo de privatização da água na França e na Alemanha

Desestatização chegou a ser revertida em algumas cidades após polêmicas, mas tem dado resultado em outras regiões

Privatização do serviço de
 água pode dar certo

Privatização do serviço de água pode dar certo

Agência Brasil/EBC

A privatização da Sabesp, que coloca em evidência o controle da rede de água e esgoto no estado de São Paulo, acende um debate que não é novo. Já no século 19 países europeus seguiram esse caminho. O processo, que acabou sendo revertido décadas depois, no entanto, tem dado resultado em cidades como Bucareste, na Romênia, e Manila, nas Filipinas.

Buenos Aires, Paris e Berlim são alguns exemplos de capitais que privatizaram o serviço de distribuição da água e, após polêmicas envolvendo as empresas responsáveis, o saneamento voltou a ser administrado pelo governo.

Veja a seguir como foi o processo em diversos países do mundo.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Bucareste

A empresa Apa Nova assumiu o controle da água na capital da Romênia nos anos 2000. Segundo representantes da companhia, eles não recebem subsídio público.

Mesmo assim, houve investimento no sistema de abastecimento de água e modernização da rede de esgoto, que havia sido criada entre 1881 e 1889.

Além do abastecimento de água potável, a companhia é responsável por recolher águas pluviais e tratar águas residuais.

O preço da tarifa, contudo, acabou subindo com o passar dos anos.

Berlim

O processo de privatização da capital alemã ocorreu em 1999, mas as promessas feitas pela empresa que passou a administrar o saneamento não foram cumpridas.

Segundo jornais locais, a companhia se comprometeu com a criação de empregos, mas demitiu os funcionários que já trabalhavam no sistema de distribuição de água quando houve a concessão. Além disso, a taxa paga pela população subiu.

Poucos anos depois, os consumidores estavam pagando um terço a mais pelo serviço, sem observar melhorias. O processo de desestatização teve início após uma votação em 2011 e ocorreu efetivamente em 2014, quando o preço pago pela água voltou a cair.

Manila

Em Manila, capital das Filipinas, a privatização da água ocorreu em 1977, após mais de 3 milhões de residentes ficarem sem acesso à água.

A empresa Manila Water assumiu o posto, com a promessa de melhorias, que foram acontecendo ao longo dos anos. 

Paris

Em 1984, a Câmara Municipal privatizou a distribuição de água em Paris e, a partir disso, duas empresas passaram a ser responsáveis pelo saneamento: uma na margem esquerda do rio Sena e a outra na direita.

Em 2008, depois de 24 anos, uma auditoria contratada pela prefeitura constatou que a entrega do serviço à iniciativa privada custou caro aos consumidores. As tarifas tinham aumentado e as companhias não conseguiram explicar o motivo.

Além disso, o excedente anual de € 30 milhões, mais de R$ 160 milhões, não estava sendo reinvestido na rede.

A prefeitura de Paris retomou a gestão do sistema de água assim que os contratos de concessão acabaram, em 2010.

Um ano depois, o preço da água abaixou 8%. Hoje, ela é administrada pela Eau de Paris, uma empresa pública.

Carros de luxo, armas e dinheiro: veja bens apreendidos em operação contra empresas-fantasmas

Últimas