Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Por que o mel pode causar uma intoxicação fatal em bebês?

Embora rico em vitaminas, alimento pode carregar bactéria que, em crianças de menos de 1 ano, causa doença rara e perigosa

Saúde|Do R7

Mel só pode ser introduzido após bebê completar 1 ano
Mel só pode ser introduzido após bebê completar 1 ano Mel só pode ser introduzido após bebê completar 1 ano

A introdução alimentar é uma fase importante durante o primeiro ano de vida de uma criança. No entanto, alguns alimentos são contraindicados nessa etapa, como o mel.

Embora a substância seja rica em vitaminas, para bebês de até 1 ano ela pode ser tóxica e até mesmo fatal, afirma a pediatra Anna Bohn, membro da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Assine a newsletter R7 em Ponto

Publicidade

"Essa recomendação existe por conta de uma doença chamada botulismo, transmitida a partir de comidas enlatadas ou em conserva que estejam contaminadas com a bactéria que causa essa doença, entre elas o mel. Por razões que não são totalmente conhecidas, algumas crianças com menos de 1 ano são mais suscetíveis, e, quando essas bactérias são ingeridas acidentalmente, podem produzir toxinas mais intensamente", diz a especialista.

"Embora a intoxicação não seja certeira em todos os casos de consumo, uma vez que o botulismo é uma doença rara, casos da doença anteriores ao primeiro ano da criança estão fortemente associados com o fator comum da ingestão de mel ou outros enlatados", complementa.

Publicidade

Segundo a pediatra Elisabeth Fernandes, também da SBP, o botulismo infantil é uma forma específica da doença, contraída pela ingestão de alimentos contaminados por uma toxina formada durante o crescimento da bactéria Clostridium botulinum.

"A microbiota intestinal imatura permite a germinação, a multiplicação e a produção de neurotoxina botulínica no intestino infantil, o que não ocorre nos maiores de 1 ano", alega Elisabeth.

Publicidade

O diagnóstico de botulismo é feito a partir da observação clínica. Os sintomas incluem constipação e evoluem a sintomas neurológicos, como fraqueza muscular importante, dificuldade para mamar, perda de expressão facial e choro fraco. A confirmação ocorre com a identificação da bactéria em uma amostra de fezes do bebê. 

O tratamento inclui medidas de suporte respiratório e administração de soro com anticorpos (imunoglobulina antibotulínica) para neutralizar as toxinas.

E quando introduzir o mel na alimentação da criança de forma segura?

As pediatras dizem que, embora o mel deixe de apresentar riscos às crianças após o primeiro ano de vida, é recomendado que sua utilização seja feita apenas de forma pontual, como opção anti-inflamatória ou em xaropes caseiros para tratar quadros de tosse.

Leia também

"Importante dizer que o consumo de alimentos adoçados com mel não é indicado antes da criança completar 2 anos. A razão por trás disso é preservar o paladar neutro, incentivando a aceitação de frutas in natura, legumes, verduras e saladas. Ao evitarmos a introdução de açúcares e mel precocemente, contribuímos para uma alimentação mais saudável e equilibrada na infância e na vida adulta", afirma Elisabeth.

Esse tipo de dieta, com alimentos mais naturais, sem açúcar e sem ingredientes processados, auxilia a formação de uma microbiota intestinal mais diversificada das crianças, diminuindo o índice de doenças crônicas não transmissíveis na vida adulta, como diabetes, hipertensão e obesidade.

Anna finaliza afirmando que, após os 2 anos, o ingrediente pode ser utilizado para adoçar preparos como bolos e iogurtes, sempre com moderação. 

Olhar e sentir o cheiro de comida gostosa já pode aumentar o risco de diabetes; entenda

" gallery_id="62c4875c1df97b9c5a0007ee" url_iframe_gallery="noticias.r7.com/saude/por-que-mel-pode-ser-toxico-para-bebes-08122023"]

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.