Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Só humanos conseguiam: estudo conclui que abelhas diferenciam números pares e ímpares

Pesquisadores australianos usaram cartões e água com sabor para ensinar aos insetos essa demonstração de inteligência, que pensava-se ser exclusiva dos humanos

Tecnologia e Ciência|Do R7

Elas sabem matemática!
Elas sabem matemática! Elas sabem matemática!

Um estudo científico concluiu que as abelhas são o segundo tipo de animal — além dos humanos — capazes de diferenciar entre números ímpares e pares. A conceituação é considerada altamente abstrata e, de acordo com os nossos atuais parâmetros científicos, um sinal claro de inteligência. Sim, além de fundamentais para o meio ambiente, esses insetos ainda mostram sinais de grande esperteza.

A pesquisa foi liderada pela dra. Scarlett Howard, especialista em Biologia da Universidade Monash, na Austrália, e publicada na revista científica Frontiers in Ecology and Evolution.

Segundo Scarlett, em um texto para o site The Conversation, humanos demonstram certa aptidão para lidar com a conceituação de paridade, que é a habilidade de diferenciar números e quantidades pares e ímpares.

"Por exemplo, tendemos a responder mais rápido a números pares com ações executadas pela mão direita e a números ímpares com ações executadas pela mão esquerda", afirma a estudiosa, que observa também que crianças associam "par" com "direita" e "ímpar" com a "esquerda".

Publicidade

O novo estudo mostra que abelhas podem fazer categorizações similares, informação que se soma a pesquisas anteriores, que mostraram que elas são capazes de realizar operações matemáticas simples, como adição e subtração.

Água doce e amarga

Para desvender as habilidades das abelhas, Scarlett e o grupo de estudo separou os insetos em dois grupos: um deles associou números pares com água com açúcar, e ímpares com uma mistura de água com quinina, que produz um sabor amargo. O segundo grupo aprendeu uma associação invertida.

Publicidade

Os pesquisadores usaram cartões com marcações pares e ímpares e descobriram que as abelhas que associaram números ímpares com água açucarada aprenderam muito mais rápida que o segundo grupo. A precisão dos acertos chegou a 70%, um resultado considerado excelente.

Como as abelhas fazem isso? Essa resposta os pesquisadores ficarão devendo. Uma possibilidade é que elas emparelhem elementos em duplas e só concluem se algum ficou de fora, um processo similar ao que muitos humanos praticam.

Publicidade

De qualquer forma, a tarefa foi considerada um tanto surpreendente para animais com cérebros diminutos, com cerca de 960.000 neurônios, contra os 86 bilhões de neurônios do cérebro humano.

Leia também

Scarlett e os outros pesquisadores acreditam que precisam fazer testes similares em animais de outras espécies para avançar em descobertas do tipo.

Publicidade

Enquanto isso, o estudo termina com outras perguntas ainda mais complicadas. A abstração matemática é um processo natural para cérebros que evoluem? A matemática é exclusiva de cérebros humanos? A diferença entre a inteligência de humanos e outros animais é menor do que se imagina?

Só mais uma longa rodada de pesquisas podem responder.

LEIA ABAIXO: Da colmeia à polinização: conheça 7 curiosidades sobre as abelhas

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.