Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Lucros dos bancos são altos porque são só cinco, afirma Guedes

Em audiência pública na Comissão de Finanças da Câmara, ministro falou que 'tudo no Brasil é cartelizado' e que 'precisamos de competição'

Brasil|Do R7


O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (4) que o lucro dos bancos brasileiros é alto porque são só "cinco ou seis" instituições. "Precisamos de competição. Tudo no Brasil é cartelizado, precisamos de competição", afirmou em audiência pública, na Comissão de Finanças de Tributação (CFT) da Câmara.

Leia também: Não haverá aumento ou novos impostos, afirma Bolsonaro 

Guedes se exaltou ao responder perguntas do deputado Rui Falcão (PT-SP) sobre investigações contra o ministro relacionadas a fundo de pensão.

"Minha experiência foi levantar fundos de investimentos. Sem ofensa, sua experiência é com quem derrubou fundos?", questionou o ministro.

Publicidade

Guedes respondeu ainda a questionamentos sobre que tipo de privilégios estão sendo cortados com a reforma da Previdência. "Privilégio é o salário de funcionário do Legislativo ser 20 vezes maior do que a média do INSS. Os senhores políticos vão se aposentar por teto do INSS, o privilégio vai embora", alfinetou.

Benefício

Publicidade

O ministro revelou que chegou a defender internamente que a antecipação do Benefício de Prestação Continuada (BPC) a partir dos 60 anos fosse de R$ 600 por mês, e não R$ 400 como está na proposta de reforma da Previdência enviada ao Congresso. Esse ponto do projeto é um dos que enfrenta maior resistência entre os parlamentares.

"Eu queria que o BPC fosse de R$ 5 mil. Mas entendo que a opção no projeto é uma escolha para antecipar o benefício. Eu até falei que R$ 400 era pouco, falei para colocar R$ 600, tendo em vista o valor do salário mínimo. Mas esse valor é opcional pra quem quiser receber mais cedo, não se pode obrigar. Quem não quiser, fica no regime antigo e recebe um pouco mais depois", afirmou.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.