Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Lula era garantidor de esquema de corrupção, diz relator

João Pedro Gebran Neto afirmou que não é necessária relação direta de contratos da Petrobras com propina no caso do ex-presidente

Brasil|Fernando Mellis, do R7


Gebran Neto (foto) é relator da apelação de Lula no TRF4
Gebran Neto (foto) é relator da apelação de Lula no TRF4

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator da apelação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato, afirmou nesta quarta-feira (24) que o petista atuava como “garantidor de um esquema de corrupção”.

— Não se exige demonstração de participação ativa de Luiz Inácio Lula da Silva em cada um dos contratos [da Petrobras]. O réu, na verdade, era o garantidor de um esquema maior, que tinha por finalidade incrementar de modo sub-reptício [ilícito] o financiamento de partidos, pelo que agia nos bastidores para nomeação e manutenção de agentes públicos em cargos-chave para a organização criminosa.

Para o relator do caso, "há prova acima de razoável de que o ex-presidente foi um dos articuladores, senão o principal, do amplo esquema de corrupção".

— As provas aqui colhidas levam à conclusão de que, no mínimo, [Lula] tinha ciência e dava suporte àquilo que ocorria no seio da Petrobras.

Publicidade

Gebran Neto citou trechos dos acordos de delações premiadas de nomes como Alberto Youssef, Nestor Cerveró, Delcídio Amaral e Pedro Corrêa, que vincularam Lula ao esquema de corrupção.

— Tomados isoladamente, cada um dos depoimentos pode parecer frágeis - mas em conjunto, com outras provas, é possível confirmar todas as assertivas que tenham feito. O conjunto comprobatório tem provas de que o tríplex foi reservado a Lula, acrescentou Gebran.

Publicidade

Acompanhe ao vivo:

Julgamento de Lula é destaque na imprensa internacional

Publicidade

A defesa de Lula sustenta que não foi indicada pela investigação qual ato de ofício [contrapartida] foi praticado por Lula no caso de corrupção envolvendo o triplex no Guarujá. O magistrado disse que "há equívoco na tese". O desembargador entendeu que basta o cargo ou função ocupada e o recebimento de vantagem indevida para caracterizar o crime.

Gebran Neto também negou integralmente todas as preliminares da defesa, incluindo a suspeição de Sérgio Moro para julgar o caso

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.