Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Depois de apoiar Lula na campanha, Tebet fica fora da primeira lista de ministros

A senadora queria o Ministério de Desenvolvimento Social, mas a pasta foi entregue ao senador petista Wellington Dias

Brasília|Kelly Almeida, do R7, e Renata Varandas, da Record TV

Simone Tebet e Luiz Inácio Lula da Silva
Simone Tebet e Luiz Inácio Lula da Silva Simone Tebet e Luiz Inácio Lula da Silva

Depois de ter ficado em terceiro lugar na disputa pela Presidência da República e apoiado Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno, a senadora Simone Tebet (MDB) ficou fora da primeira lista de ministros anunciada nesta quinta-feira (22). Lula divulgou 16 novos nomes e prometeu anunciar os outros 13 restantes até a próxima terça-feira (27).

Com 4.915.423 votos e em terceiro lugar na eleição presidencial deste ano, a senadora foi uma voz atuante em defesa da eleição de Lula no segundo turno deste ano. Entre o primeiro e o segundo turnos, o petista teve um aumento de 3.086.495 votos, menos do que a campanha petista esperava. Aliados reconhecem que o apoio de Tebet foi fundamental na vitória. Em reconhecimento, a emedebista seria uma das ministras do governo petista.

Inicialmente, Tebet foi cotada para assumir a Educação, uma das pastas com o maior orçamento da Esplanada dos Ministérios. A pauta foi uma das bandeiras da campanha dela na disputa ao Planalto. A cadeira, no entanto, foi para o petista Camilo Santana.

Tebet buscava, então, o comando do Ministério do Desenvolvimento Social, mas enfrentou resistência do PT e viu o cargo ser entregue ao senador Wellington Dias (PT-PI). A pasta era uma das mais disputadas entre os integrantes do novo governo, por ser responsável, entre outros programas sociais, pelo Auxílio Brasil, que voltará a se chamar Bolsa Família.

Publicidade

Uma ala forte do Partido dos Trabalhadores resistiu ao nome da senadora emedebista por considerar o ministério "importante demais". O principal medo do grupo era que Tebet se tornasse a "mãe" do Bolsa Família e representasse uma ameaça aos petistas em 2026.

Teria restado a ela o Ministério da Agricultura, mas Tebet teria negado. Recentemente, a senadora foi cotada ainda para o Ministério do Meio Ambiente. Ela também recusou o convite, já que o nome mais forte para a pasta até agora é o da deputada federal eleita Marina Silva, e Tebet teria alegado não querer tirar espaço de outra mulher.

Publicidade

Sem definições e preterida na escolha, Tebet não tem integrado as reuniões da transição. Também não participou da diplomação de Lula e Geraldo Alckmin em Brasília, no dia 12 de dezembro.

Lula sinalizou, durante o anúncio desta quinta-feira (22), que novas surpresas podem aparecer até terça-feira (27), quando os demais 13 ministros devem ser anunciados. 

Publicidade

Leia também

Desenvolvimento Social

Wellington Dias anunciou que ficaria com a pasta antes mesmo do pronunciamento oficial de Lula no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), sede do governo de transição, em Brasília. 

O parlamentar eleito foi governador do Piauí por quatro mandatos — eleito em 2003, 2010, 2014 e 2018. Além disso, presidiu o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste) e coordenou o Fórum Nacional de Governadores. Neste ano, foi eleito senador. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.