Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Em Davos, Fernando Haddad diz que vai fatiar reforma tributária

Ministro da Fazenda disse, ainda, que reoneração de impostos está no radar; primeira fase da reforma seria enviada até abril

Brasília|Hellen Leite e Karla Beatryz, do R7, em Brasília


O ministro da Fazenda, Fernando Haddad
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta terça-feira (17) que pretende apresentar a proposta de reforma tributária em duas etapas. A primeira, que seria enviada até abril, teria foco na mudança da tributação sobre o consumo, e a segunda parte, com expectativa para ser apresentada no segundo semestre deste ano, com mudança dos impostos sobre a renda.

Segundo o ministro, a medida vai "desonerar as camadas mais pobres do imposto e onerar quem não paga imposto no Brasil". A declaração foi feita em Davos, na Suíça, no Fórum Econômico Mundial. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, também participa do evento.

Na véspera, Haddad já havia comentado que a reforma sugerida pelo governo está madura para ser aprovada no Congresso Nacional. A nova regra para regular os gastos públicos vai substituir o teto de gastos, que limita as despesas do governo à variação da inflação.

O ministro destacou, ainda, a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC) do Estouro e a discussão sobre a reoneração de setores que o ministro considera que foram "irresponsavelmente favorecidos com fins eleitorais" em 2022. Na semana passada, Haddad apresentou uma série de medidas para tentar conter o déficit de R$ 231,5 bilhões nas contas do governo, previstos no Orçamento. 

Publicidade

Na ocasião, o ministro comentou que a reoneração dos impostos federais sobre os combustíveis não estava totalmente decidida, mas que há expectativa de que a cobrança volte a acontecer a partir de março.

[embed id="63c6a71c19d2249496000fcb" name="r7" dimensions="undefined" namespace="videos" content="%3Ciframe%20src%3D%22https%3A%2F%2Fplayer.r7.com%2Fvideo%2Fi%2F63c15335cd77c0f4b0002d15%22%20width%3D%22640%22%20height%3D%22360%22%20frameborder%3D%220%22%20loading%3D%22lazy%22%20allowfullscreen%3E%3C%2Fiframe%3E"]
{
    "data": {
        "id": "63c6a71c19d2249496000fcb",
        "name": "r7",
        "dimensions": "undefined",
        "namespace": "videos",
        "content": "%3Ciframe%20src%3D%22https%3A%2F%2Fplayer.r7.com%2Fvideo%2Fi%2F63c15335cd77c0f4b0002d15%22%20width%3D%22640%22%20height%3D%22360%22%20frameborder%3D%220%22%20loading%3D%22lazy%22%20allowfullscreen%3E%3C%2Fiframe%3E"
    },
    "embedded": {
        "_id": "63c6a71c19d2249496000fcb",
        "content": "%3Ciframe%20src%3D%22https%3A%2F%2Fplayer.r7.com%2Fvideo%2Fi%2F63c15335cd77c0f4b0002d15%22%20width%3D%22640%22%20height%3D%22360%22%20frameborder%3D%220%22%20loading%3D%22lazy%22%20allowfullscreen%3E%3C%2Fiframe%3E",
        "dimensions": "undefined",
        "embeddable_id": null,
        "name": "r7",
        "disable_adv": false,
        "section_name": "noticias",
        "videos": [
            {
                "video_id": "63c15335cd77c0f4b0002d15",
                "title": "Haddad não garante salário mínimo de R$ 1.320 para 2023
", "description": "O ministro da Fazenda Fernando Haddad não garantiu o salário mínimo de R$ 1.320 para este ano. Ele anunciou ainda a possibilidade de retorno dos impostos federais sobre os combustíveis no país. A meta é reduzir ao máximo o rombo previsto para este ano e terminá-lo com saldo positivo. Para isso, o governo anunciou uma série de medidas.", "uri": "https://vsh.akamaized.net/63c15335cd77c0f4b0002d15/1604333_EPP_1301_FB_PROGRAMA_PRETENDE/720/index.m3u8", "height": null, "duration": 124, "thumb_url": "https://vtb.akamaized.net/image/1418760/2023/01/13/63c15335cd77c0f4b0002d15/595a0a8562364409a99d8120c64ac52c__1604333_EPP_1301_FB_PROGRAMA_PRETENDE_thumb.jpg", "minetype": "audio/x-mpegurl", "size": 6, "updated_at": "2023-01-13T13:16:14Z", "created_at": "2023-01-13T12:48:54Z" } ] } }

Segundo o ministro, outras prioridades do primeiro ano do governo serão o retorno da política de aumento do salário mínimo acima da inflação, o combate à fome, mudanças climáticas, fortalecimento da democracia e integração da América Latina.

"A questão da retomada do crescimento é essencial para nós, além de [entender] qual é o lugar do Brasil no contexto da disputa internacional por investimentos, [uma disputa] que há muito tempo não se vê. Eu recebi insumos sobre com quem dialogar, tanto no governo americano, quanto no mundo asiático. [Isso] para que seja reservada à América Latina uma indústria e [saibamos] em quais setores é possível nos reindustrializar" ,comentou.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.