Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Em Portugal, Lula volta a atacar juros: 'Ninguém toma dinheiro emprestado a 13,75%'

Taxa está há oito meses em 13,75% ao ano, o maior percentual desde 2016; presidente do BC disse que 'economia não gira na Selic'

Brasília|Clarissa Lemgruber, do R7, em Brasília


Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em cerimônia no Palácio do Planalto
Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em cerimônia no Palácio do Planalto

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a criticar nesta segunda-feira (24) o atual patamar da taxa básica de juros do Brasil, mantida em 13,75% ao ano desde agosto do ano passado. Em encontro com empresários em Matosinhos, na região do Porto, em Portugal, o petista afirmou que a Selic está "muito alta". Lula vem fazendo reiteradas críticas à taxa de juros desde que assumiu o governo.

"Temos um problema no Brasil, primeiro-ministro, que Portugal não sei se tem. É que a nossa taxa de juros é muito alta. No Brasil, a taxa Selic, que é a taxa referencial, está em 13,75%. Ninguém toma dinheiro emprestado a 13,75%, ninguém. Não existe dinheiro mais barato", criticou Lula ao se dirigir a António Costa, primeiro-ministro português, durante o evento em Matosinhos. 

Durante a reunião, Lula afirmou que um país capitalista precisa de dinheiro, e esse dinheiro tem que circular "não apenas na mão de poucos, mas na mão de todos". 

"É por isso que sempre digo que a solução do Brasil é a gente voltar a colocar o pobre no orçamento. É a gente garantir que os pobres possam participar, porque, quando eles virarem consumidores, eles vão comprar. Quando eles comprarem, o comércio vai vender. Quando o comércio vender, vai gerar emprego, vai comprar mais produto na fábrica. É a coisa mais normal de uma roda-gigante da economia funcionando e todo mundo participando", afirmou.

Publicidade

'Economia não gira em torno da Selic'

Na última sexta-feira (21), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que a economia não gira em torno da taxa básica de juros da economia brasileira. A resposta foi dada durante o evento Lide Brazil Conference, em Londres, Inglaterra, a um empresário que havia afirmado que o elevado patamar da taxa de juros atrapalha o crescimento do país.

Campos Neto falou que só 20% do crédito é ligado à Selic, e o restante está relacionado a taxas longas. "Obviamente, o Banco Central quer diminuir o juro", disse.

"Se a gente não conseguir fazer um movimento na Selic com credibilidade, a taxa longa não cai", justificou o presidente do BC. "O que move o Brasil não é a taxa de juros de um dia, é a taxa de juros de três, cinco, dez anos. Para fazer com que a baixa da Selic gere um movimento de queda prolongada de juros, precisa ter credibilidade. O Banco Central está esperando o melhor momento para fazer isso, com um ganho real para as pessoas. A economia não gira na Selic", completou.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.