Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Frente Parlamentar de Serviços é reinstalada e trata reforma tributária como prioridade

Grupo de deputados e senadores foca em sete pontos centrais com projetos para facilitar créditos e garantir empregabilidade

Brasília|Bruna Lima, do R7, em Brasília

Membros na reinstalação da Frente Parlamentar de Serviços, no Congresso, em Brasília
Membros na reinstalação da Frente Parlamentar de Serviços, no Congresso, em Brasília Membros na reinstalação da Frente Parlamentar de Serviços, no Congresso, em Brasília

A Frente Parlamentar de Serviços (FPS) foi reinstalada nesta terça-feira (11) com foco na reforma tributária. Já na primeira reunião, o grupo formado por senadores e deputados levantou junto a empresários do setor sete pontos prioritários para trabalhar.

Além de uma reforma tributária "justa" para o setor de serviços, os parlamentares querem incentivos à capacidade de empregabilidade, destravamento do acesso ao crédito, remodelação do pagamento de dívidas, atualização da legislação trabalhista e as regulamentações da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e da inteligência artificial no Brasil.

Presidente da frente, o deputado Augusto Coutinho (Republicanos-PE) destacou a importância do setor para a economia do país, sobretudo na geração de emprego. "Para se ter uma ideia, em 2022, o setor de serviços, dos 2,9% de crescimento do PIB, representou 2,4%. Ou seja, é impactante e fundamental nessa necessidade de crescer o país", afirmou.

Em uma cerimônia que contou com a presença de parlamentares e empresários do setor, foi anunciado o compromisso de trabalhar para remodelar o pagamento de dívidas tributárias, trabalhistas e previdenciárias. "É preciso garantir viabilidade de pagamento a todos aqueles que desejam entrar na formalidade", completou Coutinho.

Continua após a publicidade

O presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Cadeia Produtiva da Reciclagem, deputado e ex-catador Carlos Gomes (Republicanos-RS), marcou presença na instalação, ressaltando a interlocução entre os grupos de trabalho. "É preciso trazer para formalidade os trabalhadores. Aqui cito os catadores. O serviço é um setor caro para economia porque está em todos os pontos", disse Gomes, que também é membro da FPS.

Atualmente, a FPS conta com 215 parlamentares. Ainda não há data para a próxima reunião do grupo, mas ideia é articular as demandas da frente com outros setores da economia que conversam com serviços a fim de dar peso às reivindicações.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.