Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Lula faz reunião de última hora com Haddad e mais três ministros para discutir crise na Petrobras

Reunião não estava prevista na agenda oficial e ocorre no Palácio da Alvorada, em Brasília, para abordar a gestão da estatal

Brasília|Do R7, em Brasília, com informações da Agência Estado


Lula chamou reunião de última hora neste domingo
Lula chamou reunião de última hora neste domingo Ricardo Stuckert/PR — 18.1.2024

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reúne na noite neste domingo (7) com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para discutir a crise política na Petrobras. O encontro ocorre desde as 20h no Palácio da Alvorada. O chefe da equipe econômica estava em São Paulo e foi convocado de última hora. Nesta segunda-feira (8), ele participaria de um seminário na capital paulista.

Também participam da reunião os ministros Rui Costa (Casa Civil), Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Paulo Pimenta (Secretaria de Comunicação Social).

Segundo auxiliares de Lula, ele considera tirar Jean Paul Prates da presidência da estatal e nomear para o posto o atual presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Aloizio Mercadante. Nesse desenho, o diretor de Planejamento do BNDES, o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa, assumiria o banco de fomento.

O ministro da Secretaria-Geral, Márcio Macêdo, disse que o conflito sobre o comando na Petrobras não foi abordado na reunião realizada nesse sábado (6) entre Lula e sindicalistas na Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência da República. De acordo com Macêdo, a eventual demissão do presidente da estatal, Jean Paul Prates, também não foi tratada com os ministros do governo. "Assunto não foi tratado, não falou conosco e não falou aqui", disse a jornalistas.

Publicidade

"[A reunião] tratou-se sobre a necessidade de fortalecer conteúdo nacional, discutir papel social da Petrobras", afirmou Macêdo. Outros pontos da discussão, segundo o ministro, foram a destinação do fundo de investimentos da estatal e a transformação da Petrobras em uma empresa que "seja além do petróleo, tenha alcance de empresa além de energia".

Estiveram presentes no sábado integrantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP), do Movimento dos Trabalhadores Ruais Sem Terra (MST), da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE),da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM), da União Nacional dos Estudantes (UNE), além de representantes de setores religiosos, juristas e bancários.

Publicidade

Na sexta-feira (5), a FUP divulgou nota em defesa de Prates. "Criticamos o espancamento público que o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, está sofrendo. Reconhecemos sua atuação no fortalecimento da empresa, bem como na retomada do diálogo com a categoria petroleira. Entendemos, porém, que a decisão final será do presidente Lula", diz a nota.

Entenda a crise na gestão da Petrobras

No início de março, as ações da Petrobras fecharam em queda de 10,5%, o que significou perda de valor de mercado de R$ 55 bilhões em um dia. O ruído no mercado ocorreu após o anúncio de que a estatal iria reter os dividendos extraordinários, avaliados em R$ 43,9 bilhões — não iria, portanto, pagá-los aos acionistas. 

O governo havia construído acordo para que o Conselho de Administração da empresa votasse a favor de não distribuir os lucros. Na época, Prates se absteve da votação, numa demonstração de alinhamento aos acionistas minoritários. Desde então, a crise na estatal tem escalado, inclusive, com farpas entre Prates e o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.