Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

MPF denuncia mais 62 pessoas por atos em Brasília; total chega a 912

Denúncias foram feitas pela PGR nesta segunda-feira (27); entre os investigados estão executores e incitadores do vandalismo

Brasília|Ana Isabel Mansur e Gabriela Coelho, do R7, em Brasília

Manifestantes durante atos que resultaram na depredação dos prédios da praça dos Três Poderes
Manifestantes durante atos que resultaram na depredação dos prédios da praça dos Três Poderes Manifestantes durante atos que resultaram na depredação dos prédios da praça dos Três Poderes

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (27), 62 novas denúncias contra presos em flagrante pelos atos de vandalismo em Brasília, em 8 de janeiro. A manifestação foi feita por meio da Procuradoria-Geral da República (PGR).

O número total de denunciados pelo Grupo Estratégico de Combate aos Atos Antidemocráticos chegou a 912 pessoas, entre executores e incitadores. As investigações continuam, inclusive, para apurar eventual participação de financiadores e agentes públicos.

As petições desta segunda foram protocoladas em dois inquéritos (4.921 e 4.922), de relatoria do ministro Alexandre de Moraes, do STF, instaurados a pedido da PGR para apurar os crimes.

Entre o total de denunciados, 44 foram acusados pelos crimes de incitação equiparada pela animosidade das Forças Armadas contra os Poderes Constitucionais e associação criminosa, cuja pena máxima, em caso de condenação, pode chegar a três anos e três meses.

Publicidade

Leia também

Outros 36 envolvidos foram acusados por crimes praticados com violência e grave ameaça, cuja sanção máxima, após a condenação, pode superar 30 anos.

Nesses casos, eles respondem por associação criminosa armada, abolição violenta do Estado democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado contra o patrimônio da União, além de deterioração de patrimônio tombado.

Publicidade

Além das denúncias, o MPF se manifestou em 260 pedidos de liberdade provisória. Desses, o ministério requereu a revogação da prisão de 202 acusados por crimes leves, cuja pena máxima não alcança quatro anos, um dos requisitos para a prisão preventiva.

Quanto aos outros 58 presos, acusados de crimes praticados com violência e grave ameaça, cujas penas máximas superam o patamar, o MPF pediu a manutenção da prisão cautelar.

Publicidade

Também nesta segunda , a PGR opinou a favor da liberação de 29 ônibus de empresas que apresentaram a relação de passageiros e os documentos relativos à contratação e/ou ao pagamento de transporte para Brasília, em 8 de janeiro. As empresas são investigadas nos inquéritos do STF.

Na manifestação, contudo, o coordenador do Grupo Estratégico, Carlos Frederico Santos, pediu que seja feito o gravame no registro dos veículos no Sistema Nacional de Trânsito, para vinculá-los ao fato, o que, como consequência, impõe restrições aos proprietários.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.