Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

'Prender mulher não serve para nada', diz presidente do STF ao criticar criminalização do aborto

Barroso afirmou que é necessário fazer uma campanha de conscientização para que o Supremo possa julgar sobre o tema

Brasília|Bruna Lima, do R7, em Brasília

Barroso defende a descriminalização do aborto
Barroso defende a descriminalização do aborto Barroso defende a descriminalização do aborto (Gustavo Moreno/Divulgação STF – 08.01.2024)

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Roberto Barroso, criticou nesta sexta-feira (8) a criminalização do aborto. "Prender a mulher não serve para nada", afirmou, em palestra na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO). Segundo o ministro, é necessário fazer uma campanha de conscientização para esclarecer o tema na sociedade e, assim, conseguir votá-lo na Suprema Corte. 

"É preciso explicar para a sociedade que o aborto não é uma coisa boa, deve ser evitado e, portanto, o Estado deve dar educação sexual, contraceptivos e amparar a mulher que queira ter filho. Explicar para as pessoas que ser contra o aborto, não querer que ele aconteça, tentar evitá-lo, não significa que se queira prender a mulher que passe por esse infortúnio. Porque é isso que a criminalização faz", declarou Barroso. 

Na avaliação do ministro, o pensamento de criminalizar impede mulheres pobres de usarem o sistema de saúde, que, por isso, acabam se mutilando em procedimentos clandestinos. 

"Essa é uma campanha de conscientização que precisamos difundir no Brasil para que se possa votar isso no Supremo. A sociedade não entende do que se trata. Não se trata de defender o aborto, mas de enfrentar esse problema de forma mais inteligente que a criminalização. Prender a mulher não serve para nada", completou. 

Publicidade

Leia mais: Número de filhos por mulher cai 13% no Brasil entre 2018 e 2022, aponta IBGE

A lei brasileira condena a mulher que realizar aborto a até três anos de prisão. Quem auxilia no processo também pode ser condenado com pena de até quatro anos. A descriminalização do aborto até a 12ª semana de gravidez é tema discutido no STF. 

Pelo plenário virtual, a ministra aposentada Rosa Weber votou a favor da descriminalização. No entanto, a análise foi suspensa após um pedido de destaque de Barroso. Dessa forma, o julgamento vai ser reiniciado presencialmente, o que possibilita a discussão entre os ministros sobre o assunto. Ainda não há uma data definida para a retomada do julgamento. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.