Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

STF forma maioria para suspender presunção de boa-fé na compra e venda de ouro

A decisão atende a pedido do PSB e do PV, que alegam que a falta de fiscalização fortalece o garimpo ilegal

Brasília|*Agência Estado

STF forma maioria para confirmar liminar
STF forma maioria para confirmar liminar STF forma maioria para confirmar liminar

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria neste sábado (29) para confirmar a liminar do ministro Gilmar Mendes que suspendeu a compra e a venda de ouro com base na presunção de boa-fé. A decisão atende a pedido do PSB e do PV, que alegam que a falta de fiscalização fortalece o garimpo ilegal.

· Compartilhe esta notícia no WhatsApp

As legendas questionam o trecho de uma lei de 2013 que permite às distribuidoras de títulos e valores mobiliários (DTVMs), autorizadas pelo Banco Central, comprar ouro com base em informações prestadas exclusivamente pelos vendedores.

Gilmar foi seguido, até o momento, pelos ministros do STF Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Dias Toffoli, Edson Fachin e Cármen Lúcia.

Publicidade

O julgamento ocorre em plenário virtual e vai até a próxima terça-feira (2).

Leia também: Lula vai a São Paulo neste sábado para cumprir agenda pessoal

Publicidade

A decisão confirmada pelo plenário ainda é uma medida cautelar, tomada em caráter de urgência. O mérito da questão (declarar ou não a inconstitucionalidade da lei) ainda será avaliado.

Medida provisória (MP)

O Ministério da Justiça e Segurança Pública também deve enviar em breve ao Congresso uma medida provisória (MP) que visa endurecer a fiscalização do ouro. Entre as medidas previstas estão o fim da presunção de boa-fé e a obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica para a transação de ouro.

Publicidade

A MP foi resultado de um grupo de trabalho criado pelo ministro da Justiça, Flávio Dino, após a crise humanitária na Terra Indígena Yanomami, em Roraima.

Um dos principais vetores da crise foi o avanço do garimpo ilegal de ouro na região. Em janeiro, o Ministério da Saúde decretou emergência de saúde pública no território indígena.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.