Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

STF tem cinco votos para manter afastamento de Ibaneis Rocha

Além de Moraes, quatro ministros decidiram que o governador do DF ficará afastado do Executivo local por 90 dias

Brasília|Hellen Leite, do R7, em Brasília

Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília
Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, Edson Fachin, Cármen Lúcia e Dias Toffoli seguiram o voto de Alexandre de Moraes para manter o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), afastado do cargo por, pelo menos, 90 dias. O julgamento ocorre nesta quarta-feira (11) no plenário virtual da Corte. 

Moraes afastou o chefe do Executivo do DF horas após manifestantes terem invadido e depredado as sedes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Na decisão, Moraes alega que "absolutamente nada justifica a omissão e conivência do secretário de Segurança Pública e do governador do Distrito Federal com criminosos que, previamente, anunciaram que praticariam atos violentos contra os Poderes constituídos".

Para Moraes, Ibaneis Rocha teve "conduta dolosamente omissiva" por ter feito declarações públicas "defendendo uma falsa livre manifestação política em Brasília — mesmo sabedor por todas as redes que ataques às instituições e seus membros seriam realizados — como também ignorou todos os apelos das autoridades para a realização de um plano de segurança semelhante aos realizados nos últimos dois anos em 7 de setembro, em especial, com a proibição de ingresso na Esplanada dos Ministérios pelos criminosos terroristas; tendo liberado o amplo acesso".

Publicidade

Horas depois da vandalização da praça dos Três Poderes, Ibaneis divulgou um vídeo em que pede desculpas aos chefes dos Poderes pelos atos de vandalismo praticados na capital federal.

O afastamento do governador vale por 90 dias. Quem assume o Governo do Distrito Federal nesse período é a vice-governadora, Celina Leão. Na terça-feira (10), Leão reconheceu que houve uma falha no comando da polícia

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.