Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Temer rebate Lula e diz que petista tenta reescrever a história ao falar em golpe

Ex-presidente foi chamado de golpista e queixa-se de que petista insiste em 'manter os pés no palanque e os olhos no retrovisor'

Brasília|Augusto Fernandes, do R7, em Brasília

O ex-presidente Michel Temer
O ex-presidente Michel Temer O ex-presidente Michel Temer

O ex-presidente Michel Temer emitiu um comunicado nesta quarta-feira (25) após ter sido chamado de “golpista” pelo atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e criticou o viés ideológico do petista ao se referir ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

“Mesmo tendo vencido as eleições para cuidar do futuro do Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva parece insistir em manter os pés no palanque e os olhos no retrovisor, agora tentando reescrever a história por meio de narrativas ideológicas”, disse Temer.

“Ao contrário do que ele disse hoje em evento internacional, o país não foi vítima de golpe algum. Foi na verdade aplicada a pena prevista para quem infringe a Constituição”, acrescentou.

Além disso, Temer pediu a Lula que deixe o passado para trás. “Recomendo ao presidente Lula que governe olhando para a frente, defendendo a verdade, praticando a harmonia e pregando a paz.”

Publicidade

Na manhã desta quarta, após reunião em Montevidéu com o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, Lula citou Temer para dizer que a gestão dele teria acabado com algumas conquistas dos governos do PT que lhe antecederam.

“Hoje o Brasil tem 33 milhões de pessoas passando fome. Significa que quase tudo o que fizemos de benefício social no meu país, em 13 anos de governo, foi destruído em seis anos, ou em sete anos, nos três do golpista Michel Temer e quatro do governo Bolsonaro”, afirmou Lula.

Publicidade

Temer rebateu o atual presidente e frisou que o governo dele teve resultados positivos na economia na comparação com 2015, quando Dilma ainda comandava o Palácio do Planalto.

“Sobre ele ter dito que destruí as iniciativas petistas em apenas dois anos e meio de governo, é verdade: destruí um PIB negativo de 5% para positivo de 1,8%; inflação de dois dígitos para 2,75%; juros de 14,25% para 6,5%; queda do desemprego ao longo do tempo de 13% para 8% graças à reforma trabalhista”, ressaltou Temer.

Publicidade

“Recuperação da Petrobras e demais estatais graças à Lei das Estatais; destruí a Bolsa de Valores, que cresceu de 45 mil pontos para 85 mil pontos. Cometi a destruição de elevar o recorde na produção de grãos, nas exportações e na balança comercial. Como se vê, com a nossa chegada ao governo o Brasil não sofreu um golpe institucional, foi sim 'vítima' de um Golpe de Sorte”, completou.

Pedido de impeachment contra Lula

O deputado Ubiratan Sanderson (PL-RS) entrará com pedido de impeachment de Lula por se referir à saída de Dilma Rousseff do poder como "golpe". Ele espera a abertura do ano legislativo para protocolar o requerimento.

"Ao afirmar em discurso oficial e público que o impeachment de Dilma Rousseff foi um golpe de Estado, Lula atenta contra os Poderes e contra a Constituição Federal", alega o parlamentar, completando que, diante dessa situação, a abertura de um impeachment é justificada "pela flagrante prática de crime de responsabilidade".

Leia também

Impeachment de Dilma

Dilma foi afastada da Presidência da República em agosto de 2016, na metade do seu segundo mandato à frente do Palácio do Planalto. Ela foi alvo de um processo de impeachment analisado pelo Congresso Nacional.

A ex-presidente teve o mandato cassado depois de ser acusada de ter cometido crime de responsabilidade pela prática das chamadas "pedaladas fiscais" e pela edição de decretos de abertura de crédito sem a autorização do Parlamento.

Segundo o pedido de impeachment aprovado pelo Congresso, os decretos assinados por Dilma ampliaram o Orçamento do governo federal em mais de R$ 95 bilhões, o que fez a gestão da petista descumprir a meta fiscal de 2015.

Leia mais: No Uruguai, Lula defende Mercosul e tenta desencorajar acordo bilateral com a China

Os autores do pedido de impeachment de Dilma afirmaram que o governo dela sabia da irregularidade, pois já havia pedido revisão da meta quando a ex-presidente editou os decretos, e que o Legislativo não tinha sido consultado antes de a nova meta fiscal ser alterada.

Sobre as pedaladas fiscais, que são os atrasos nos repasses da União a bancos públicos para cobrir gastos dessas instituições com programas do governo, o pedido que levou à cassação do mandato de Dilma afirmou que não foram apenas atrasos operacionais, pois o débito do Tesouro Nacional com os bancos públicos se acumulou por bastante tempo, chegando a valores muito altos.

Dilma foi acusada de acumular débitos para fabricar superávit fiscal que não existia e para criar uma situação positiva das contas públicas que não era verdadeira. Sendo assim, o objetivo das pedaladas, segundo o pedido de impeachment, seria esconder a real situação fiscal do Brasil. A ex-presidente nega as acusações.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.