Brasília No Uruguai, Lula defende Mercosul e tenta desencorajar acordo bilateral com a China

No Uruguai, Lula defende Mercosul e tenta desencorajar acordo bilateral com a China

O presidente do Brasil quer negociação em bloco e para ele é urgente avançar nas negociações com a União Europeia

  • Brasília | Hellen Leite, do R7, em Brasília

O presidente Lula (PT) discursa ao lado do presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou - 25/01/2023

O presidente Lula (PT) discursa ao lado do presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou - 25/01/2023

TV Brasil/Reprodução

Em reunião com o presidente do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou, nesta quarta-feira (25) o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tentou desencorajar o país vizinho a prosseguir nas negociações bilaterais com a China e disse que é urgente avançar em um acordo comercial em bloco com Pequim.

Para Lula, o "Brasil não pode crescer sozinho, tem que crescer junto com todos os países da região". Lula também disse que "é urgente avançar nas negociações com a União Europeia".

Caso sejam oficializadas, as negociações entre Uruguai e China podem pôr em xeque a Tarifa Externa Comum do Mercosul. Dos quatro países fundadores do bloco, o Uruguai não tem o mesmo poder econômico dos vizinhos e perde força nas discussões sul-americanas.

"Quero dizer que o que o presidente Lacalle está exigindo de nós é mais do que justo. Defender os interesses da sua economia e do seu povo. É justo produzir mais e querer vender mais", afirmou. "Mas vamos intensificar as negociações para avançar em um acordo comercial com a China e acho que é possível", completou.

Leia também: Telegram contesta decisão judicial e mantém conta de Nikolas Ferreira

Em seu discurso, o presidente Lacalle disse que a reunião com Lula foi "livre de ideologias", simplesmente "tentando chegar a um acordo sobre do que nossas nações precisam", comentou. O presidente do Uruguai deixou claro que vai continuar negociando com a China.

Lacalle Pou disse que a posição que Lula lhe transmitiu sobre o vínculo dentro do Mercosul o deixou "otimista". Um ponto onde "as maiores nuances foram encontradas foi a necessidade de o Uruguai se abrir para o mundo e fazê-lo com todo o Mercosul".

Leia também: PF abre inquérito para investigar crimes na Terra Indígena Yanomami

Lacalle Pou também anunciou que vai criar um grupo técnico entre Uruguai e o Brasil para definir "o que é preciso na negociação com a China". "Se houver uma decisão de avançar com o país chinês em uma negociação, não estamos ansiosos para aderir", comentou.

Infraestrutura

Os presidentes também conversaram sobre obras de infraestrutura entre os dois países, e Lula se comprometeu a construir uma ponte sobre o Rio Jaguarão, na fronteira do Uruguai com o Brasil, no Rio Grande do Sul.

"O presidente [do Uruguai] falou de uma dragagem que tem que ser feita pelo Brasil num pedaço pequeno que, segundo ele, não custa caro", disse Lula. Ele confessou achar que a ponte já estivesse concluída. "Eu estou até envergonhado porque penso que assinei alguma coisa com Mujica [ex-presidente do Uruguai], e pensei que essa ponte já estava pronta e hoje soube que nem começou."

A ponte liga as cidades de Jaguarão, no lado brasileiro, e Rio Branco, no lado uruguaio.

Viagem internacional

O presidente do Brasil está em Montevidéu, capital uruguaia. Este é o segundo país que Lula visita desde que assumiu a Presidência da República. De domingo (22) a terça-feira (24), ele esteve na Argentina, onde se reuniu com o presidente Alberto Fernández e participou da 7ª cúpula da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos).

Lula se reúne ainda nesta quarta com o ex-presidente José Mujica e com a ex-vice-presidente e atual senadora Lucía Topolasnky. Após as agendas, o petista retorna para Brasília, de noite.

Últimas