Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Tribunal de Contas do DF ampliará a fiscalização sobre a Secretaria de Segurança Pública

Anúncio do presidente do TCDF, Márcio Michel, ocorreu após reunião com o interventor federal Ricardo Capelli, nesta quinta (19)

Brasília|Luiz Calcagno, do R7, em Brasília

Márcio Michel, presidente do TCDF, reunido com o interventor federal no DF, Ricardo Capelli
Márcio Michel, presidente do TCDF, reunido com o interventor federal no DF, Ricardo Capelli Márcio Michel, presidente do TCDF, reunido com o interventor federal no DF, Ricardo Capelli

O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) vai aumentar a fiscalização sobre a Secretaria de Segurança Pública. Os trabalhos devem começar em fevereiro, após o fim da intervenção federal no Distrito Federal, prevista para acabar no dia 31 deste mês.

O anúncio foi feito pelo presidente do TCDF, o conselheiro Márcio Michel, após uma reunião com o interventor federal no DF, Ricardo Capelli, nesta quinta-feira (19).

No encontro, o conselheiro defendeu o Fundo Constitucional do DF, verba federal que financia a Segurança Pública, a Saúde e a Educação na capital. Ele também colocou o Tribunal à disposição para contribuir com a equipe de Capelli.

"Fomos à Secretaria de Segurança para conversar sobre como o TCDF pode ajudar naquilo que pudermos fazer e para demonstrar que estamos atentos aos atos praticados em 8 de janeiro. Também falamos do Fundo Constitucional. Explicamos porquê foi criado e a necessidade da manutenção independente de coloração partidária ou ideologia política", disse Márcio Michel.

Publicidade

Leia também

Só com a devolução o TCDF poderá fiscalizar as ações e o orçamento da pasta, incluindo o uso da verba do Fundo Constitucional e a qualidade dos serviços das forças de segurança.

A fiscalização do Tribunal de Contas após a intervenção acompanhará as mudanças que o Governo do DF fará na pasta após o ataque aos prédios do três poderes da República, em Brasília, no último dia 8.

"Vamos sentar com a governadora em exercício ou o governador para conversar sobre como será feita a fiscalização. Vários projetos e planos virão a partir daí, e o Tribunal de Contas deve estar pronto", completou o presidente do TCDF.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.