Folha Vitória Yoga ajuda a tratar doença exposta por famosas, diz médico André Vinícius

Yoga ajuda a tratar doença exposta por famosas, diz médico André Vinícius

Exercício físico que conecta a mente ao corpo tem o poder de fazer recuar consideravelmente o avanço da síndrome após 12 semanas seguidas, como apontam estudos internacionais sobre o tema

Folha Vitória
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Em torno de 10% a 15% das mulheres brasileiras já foram diagnosticadas com a síndrome dos ovários policísticos, segundo estudo da Famivita. A projeção é que, por uma série de fatores genéticos e externos, cada vez mais mulheres sofram com a doença que pode atrapalhar até a fertilidade. Só que é possível tratar o problema com hábitos simples de aplicar ao dia a dia, como o do exercício físico.

Várias famosas já desabafaram sobre o tema e usaram a influência na web para conscientizar sobre temas da saúde da mulher, como Ana Furtado, Anitta e Ludmilla. Flávia Pavanelli e a cantora Lorde são outras duas que já expuseram doenças íntimas na internet para quebrar o tabu em torno do assunto. 

LEIA TAMBÉM: Músicos tops de orquestras do ES apresentam noite de tango em Vitória

“A síndrome dos ovários policísticos afeta uma em cada dez mulheres. Entre os sintomas mais comuns estão menstruações irregulares, crescimento de pelo facial e corporal, acne, infertilidade e ganho de peso”, explica o médico André Vinícius, sobre os sintomas da doença.

E logo entrega: “Infelizmente, não há um tratamento totalmente eficaz e o que é feito para dar mais qualidade de vida à mulher é uma abordagem integral”.

Segundo ele, a yoga é um dos exercícios físicos regulares que pode ajudar no tratamento associado da síndrome. 

“Há uma melhora significativa dos níveis dos marcadores metabólicos quando a yoga é praticada com constância, assim como outros exercícios físicos aeróbicos. Mas a yoga é potencializada por se tratar de algo que envolve muito a mente ao corpo. Mulheres que se submeteram a um estudo do Journal of Ginecology e Obstetrics tiveram melhora significativa nesses indicativos com a yoga regular”, conclui.

Últimas