Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Classe média fica mais endividada e inadimplente em maio, diz CNC

O nível de consumidores que têm algum tipo de dívida, atrasada ou a vencer, permanece estável em 78% desde dezembro de 2022

Economia|Do R7


Classe média fica mais endividada que outros grupos em maio
Classe média fica mais endividada que outros grupos em maio

A classe média ficou mais endividada e mais inadimplente na passagem de abril para maio, disse a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), que, mensalmente, elabora a Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor). No país, em média, a proporção de famílias com dívidas a vencer permaneceu inalterada pelo quarto mês consecutivo, em 78,3%.

O nível de endividados de agora é superior ao do mesmo mês de 2022, quando estava em 77,4%. Entre os brasileiros que declararam ter contas a vencer, 18% se consideram muito endividados, o maior porcentual desde agosto de 2022.

Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

"O endividamento dos consumidores permanece estável desde dezembro do ano passado, especialmente por conta do encarecimento e da seletividade das concessões de crédito pelas instituições financeiras. A taxa média de juros das concessões de crédito às pessoas físicas alcançou 59,7% ao ano em abril, o maior porcentual desde agosto de 2017, segundo dados do Banco Central", justificou a CNC, em nota.

A pesquisa também apontou estabilidade na parcela de consumidores com dívidas em atraso, que alcançou 29,1% do total de famílias em maio, resultado igual ao de abril. Em maio de 2022, essa fatia de inadimplentes era de 28,7%.

Publicidade

Entre as famílias inadimplentes em maio de 2023, 11,8% afirmaram que não terão condições de pagar suas dívidas já atrasadas, a maior proporção desde outubro de 2020.

"Os juros elevados dificultam o pagamento da dívida atrasada, pois pioram as despesas financeiras", justificou a economista Izis Ferreira, responsável pela pesquisa da CNC, na nota oficial da entidade.

Publicidade

A alta dos juros tem pressionado mais o orçamento de famílias da classe média, enquanto a expansão de políticas voltadas para os benefícios sociais aliviam os grupos de menor renda, explica a confederação.

Leia também

Nas duas pontas, entre os mais pobres e entre os mais ricos, na passagem de abril para maio, a proporção de endividados diminuiu, mas as faixas de rendimento médio aumentaram.

No grupo com renda familiar mensal de até três salários mínimos, a porcentagem de endividados caiu de 79,0% em abril para 78,7% em maio. Entre os que têm renda acima de dez salários mínimos mensais, o recuo foi de 75,3% para 75%.

Na classe média com renda de três a cinco salários mínimos, a proporção de endividados subiu de 78,7% para 79,6%, e, no grupo de cinco a dez salários mínimos, a porcentagem era de 77,8% e aumentou para 78,0%.

O mesmo fenômeno ocorreu com a inadimplência: no grupo com renda familiar mensal de até três salários mínimos, a proporção de inadimplentes ficou estável em 36,3%, e, entre os que ganham mais de dez salários mínimos mensais, essa fatia recuou de 13,9% para 13,7%.

Na classe média com renda de três a cinco salários mínimos, a proporção de inadimplentes subiu de 27,3% em abril para 27,7% em maio. No grupo de quem tem renda entre cinco e dez salários mínimos, houve aumento de 22,6% para 23,4%.

O maior alcance e o aumento dos valores dos benefícios do PBF (Programa Bolsa Família) e a retomada das contratações formais de pessoas com menor escolaridade estão ajudando os consumidores que recebem menos de três salários mínimos a pagar as dívidas, avaliou Izis Ferreira. "São eles, também, o principal foco de renegociações, e, com isso, o risco de inadimplência vem aumentando mais na classe média", acrescentou a economista.

A Peic mostrou, ainda, que cerca de 45,7% dos inadimplentes estão com contas atrasadas há mais de três meses, o maior porcentual em três anos. No entanto, a CNC prevê que essa fatia se reduza gradualmente no segundo semestre, encerrando o ano próxima a 44,5%, o que, mesmo assim, significaria a maior proporção anual desde 2019.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.