Economia Custo para construir no Brasil sobe para R$ 1.677,96 por m²

Custo para construir no Brasil sobe para R$ 1.677,96 por m²

Resultado final é fruto de R$ 1.000,47 relativos aos materiais e R$ 677,49 à mão de obra, mostra IBGE

  • Economia | Do R7

Construção ficou 0,15% mais cara em novembro

Construção ficou 0,15% mais cara em novembro

Fernando Frazão/Agência Brasil

O custo para construir no Brasil subiu 0,15% e alcançou R$ 1.677,96 em novembro, mostram informações reveladas nesta sexta-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A variação apurada pelo Sinapi (Índice Nacional da Construção Civil) leva em conta o valor de R$ 1.000,47 relativos aos materiais e R$ 677,49 à mão de obra.

Em novembro, a variação mensal do indicador foi a menor desde julho de 2020. Com isso, o índice acumula alta de 11,38% em 12 meses, valor abaixo dos 12,41% registrados no período imediatamente anterior. Já no acumulado de 2022, a alta figura em 10,81%.

Para Augusto Oliveira, gerente da Sinapi, a pesquisa mostra as variações mensais dos custos da construção civil em um patamar mais próximo ao do período pré-pandemia e uma desaceleração que pode ser observada nas quedas contínuas nos indicadores dos acumulados nos 12 meses.

“Os custos estão chegando a uma normalidade, sem a influência de um período de pandemia, com as variações dos preços mais comportandos, acompanhando os movimentos do mercado da construção civil”, diz o pesquisador.

Augusto destaca que os materiais, que puxaram as altas nos anos em 2020 e 2021, são os que mais têm contribuído para a desaceleração em 2022. A parcela dos materiais foi de 0,01%, mantendo o patamar do mês anterior (0,04%) e o movimento de retração dos últimos meses.

A taxa de novembro no setor de materiais de construção foi a menor desde janeiro de 2020. Em relação a novembro de 2021 (1,66%), houve queda de 1,65 ponto percentual. Já a parcela da mão de obra foi de 0,35%, com apenas um reajuste observado, caindo 0,53 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,88%).

Últimas