Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Desemprego no Brasil recua para 7,6%, o menor nível desde 2015

Mesmo em queda, a desocupação ainda afeta 8,3 milhões no trimestre encerrado em outubro, mostra IBGE

Economia|Do R7


Brasil tem o maior número de ocupados desde 2012
Brasil tem o maior número de ocupados desde 2012

Após encerrar o terceiro trimestre no menor nível dos últimos oito anos, a taxa de desemprego no Brasil voltou a cair e era de 7,6% entre os meses de agosto e outubro, mostram informações divulgadas nesta quinta-feira (30) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A atualização mantém o volume de desocupados no mais baixo nível desde fevereiro de 2015 (7,5%). Para o trimestre encerrado em outubro, a taxa é a menor desde 2014, quando o total de desempregados era de 6,7%.

Mesmo com a sequência de queda iniciada no mês de março, 8,3 milhões de brasileiros ainda procuram, sem sucesso, uma colocação no mercado de trabalho. O número corresponde a menos 261 mil (3,6%) pessoas em busca de emprego na comparação com o trimestre anterior.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Publicidade

Assine a newsletter R7 em Ponto

Segundo os dados da pesquisa, 100,2 milhões de pessoas estão ocupadas no território nacional, o maior contingente de toda a série histórica, iniciada em 2012. O total é 0,9% maior que o observado no trimestre anterior e 0,5% maior que o verificado no mesmo período do ano passado.

“A população ocupada segue tendência de aumento que já havia sido observada no trimestre anterior”, explica Adriana Beringuy, coordenadora responsável pela Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios).

Carteira assinada

No trimestre finalizado em outubro, o número de empregados formais no setor privado chegou a 37,4 milhões, o maior contingente desde janeiro de 2015, quando registrou 37,5 milhões. O número representa um crescimento de 1,6% (mais 587 mil) em comparação com os três meses anteriores e uma alta de 3% (mais 1,1 milhão de pessoas) no comparativo anual.

Já o número de trabalhadores por conta própria foi de 25,6 milhões de pessoas, um aumento de 1,3% (mais 317 mil) ante o trimestre anterior. O número de empregados sem carteira no setor privado ficou estável e fechou em 13,3 milhões.

Para Adriana Beringuy, os dados revelam que tanto empregados como trabalhadores por conta própria "contribuíram para a expansão" da ocupação e queda do nível de desemprego entre os meses de agosto e outubro.

A pesquisa mostra ainda que o número de trabalhadores domésticos (5,8 milhões de pessoas), o dos empregadores (4,2 milhões de pessoas) e o dos empregados no setor público (12,1 milhões de pessoas) ficaram estáveis tanto na comparação trimestral quanto na interanual.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.