Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Puxada pela energia elétrica, prévia da inflação volta a ganhar ritmo em agosto

Segundo o IBGE, aumento médio dos preços de 0,28% sofreu impacto de reajustes da tarifa de luz em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre

Economia|Do R7


Habitação foi o grupo do indicador que mais puxou os preços
Habitação foi o grupo do indicador que mais puxou os preços

Após cinco meses consecutivos de perda de ritmo, a prévia da inflação voltou a acelerar em agosto, ao marcar 0,28%. Os dados são do IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (25).

O principal vilão da inflação em agosto, até agora, é a energia elétrica. Ela puxou os preços do grupo habitação (1,08%). A contribuição foi de 0,16 ponto percentual no total.

Em média, a tarifa de energia elétrica residencial está 4,59% mais cara no país. As capitais que mais colaboraram para a escalada dos preços da luz foram: Curitiba, onde o reajuste de 10,66% teve vigência em junho; Porto Alegre, com alta de 2,92%; e São Paulo, onde a conta de energia está, em média, 4,21% mais cara.

· Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

· Compartilhe esta notícia no Telegram

O segundo grupo de produtos e serviços que mais afetaram os preços em agosto foi saúde e cuidados pessoais. Os itens para tratamento de pele ficaram 8,57% mais pesados no bolso do brasileiro, seguidos por perfumes (2,94%).

Publicidade
Peso de cada grupo no IPCA-15 de agosto
Peso de cada grupo no IPCA-15 de agosto

Em seguida, o grupo educação (0,71%) também teve expansão. Os cursos regulares subiram 0,74%, principalmente por conta dos subitens creche (1,91%) e ensino superior (1,12%).

A alta dos cursos diversos (0,06%) foi influenciada pelos cursos preparatórios (1,22%) e cursos de idiomas (0,14%).

Publicidade

Por sua vez, transportes (0,23%) teve aceleração moderada. O conjunto deve apresentar alta forte nos próximos meses, já que a Petrobras elevou os preços cobrados dos combustíveis enviados às refinarias no dia 16.

Leia também

Porém, como o IPCA-15 de agosto foi medido entre os dias 16 de julho e 15 de agosto, a expansão nos postos de gasolina ainda não foi apurada pela estatística.

Inflação acumulada e meta

Com o resultado, o IPCA-15 agora acumula alta de 4,24% nos últimos 12 meses. Esse patamar está acima do centro da meta preestabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), de 3,25%. Há margem de tolerância de 1,5 ponto (de 1,75% para 4,75%).

Para o C6 Bank, esse cenário "confirma nossa visão de que o menor patamar de inflação já passou e, daqui para a frente, os preços vão continuar subindo".

Com as recentes desacelerações mensais da inflação, desde fevereiro, o Banco Central cortou em 0.5 p.p a taxa básica de juros da economia brasileira. A Selic foi reduzida para 13,25% ao ano.

Ou seja, com os preços voltando a subir nos próximos meses, principalmente por causa dos combustíveis, esse processo de corte nos juros deve ser impactado.

Segundo projeção do C6, a inflação anual no fim de 2023 será de 5,4%.

Proposta do Banco Central para encerrar parcelamento de compras pode prejudicar comerciantes e consumidores

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.