Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Venda de veículos cai em agosto após fim de incentivo do governo

Queda de quase 8% dos emplacamentos indica necessidade de uma política de fomento industrial de longo prazo, diz Fenabrave

Economia|Do R7


Brasil emplacou 207.717 veículos em agosto, diz Fenabrave
Brasil emplacou 207.717 veículos em agosto, diz Fenabrave

Os emplacamentos de carros, picapes, utilitários esportivos, vans comerciais, caminhões e ônibus no Brasil recuaram para 207.717 unidades em agosto. O resultado corresponde a uma queda de 7,93% em relação ao mês de julho (225.597 vendas), quando ainda vigorava o programa de descontos do governo federal para estimular o setor automotivo.

Já na comparação com o mesmo período do ano passado, as vendas de veículos novos no Brasil recuaram 0,41%, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (4) pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), associação que representa as concessionárias.

O presidente da Fenabrave, José Maurício Andreta Júnior, ressalta que apenas o segmento de automóveis encolheu em relação a julho. "As ações do governo permitiram o acesso do consumidor, que havia perdido o poder de compra, aos veículos de entrada, o que demonstrou que o preço influencia na escala necessária para a recuperação do setor”, analisa.

Compartilhe no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe no Telegram

Diante dos resultados de agosto, Andreta Júnior afirma que as medidas provisórias ajudaram a aquecer o setor apenas momentaneamente. De acordo com ele, os números evidenciam a necessidade de uma política de fomento industrial de longo prazo. "Algumas marcas ainda tinham saldo de veículos com desconto patrocinado a oferecer, o que fez com que o resultado não fosse ainda pior", observa ele.

Publicidade

Os recursos disponibilizados pelo governo federal para bancar a redução no preço de automóveis se esgotaram no início do mês de julho e resultaram na venda de 125 mil automóveis zero-km com desconto.

Mesmo com o recuo registrado em agosto, a evolução total de emplacamentos no Brasil continua com alta de 13,7% no acumulado do ano, em comparação com o mesmo período de 2022. Andreta Júnior, no entanto, ressalta que o desempenho tem como base a baixa média histórica apurada no primeiro semestre do ano passado, quando a escassez de peças e componentes ainda limitava o segmento. "Neste ano, não há sinais de que teremos uma forte recuperação na segunda metade do ano", prevê. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.