Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Hora 7
Publicidade

Atendente acusada de atirar contra cliente que queria batatas fritas justifica: 'Tentando trabalhar'

Briga motivada por item que não foi entregue aconteceu em drive-thru de lanchonete de Houston, nos Estados Unidos

Hora 7|Do R7


A atendente de uma lanchonete da cidade de Houston, nos EUA, é acusada de atirar contra um cliente, que havia dado falta das batatas fritas em um dos pedidos entregues a ele. Apesar do incidente ter ocorrido em março de 2021, um vídeo captado por uma câmera de vigilância do estabelecimento acabou compartilhado recentemente nas redes sociais.

Em entrevista ao canal ABC13, a funcionária Alonniea Ford-Theriot, 30, negou ter apertado o gatilho do revólver. "Não vou sacar nenhuma arma e atirar em alguém sem batatas fritas."

De acordo com Alonniea, no suposto áudio do vídeo acima seria possível perceber que não há barulho de disparo. No entanto, além da gravação em questão não possuir áudio, a polícia encontrou um cartucho de arma usado no local da ocorrência.

Atendente é acusada de atirar contra cliente que deu falta de batatas fritas no pedido
Atendente é acusada de atirar contra cliente que deu falta de batatas fritas no pedido

Além de Anthony Ramos, que estava ao volante, o carro também era ocupado pela esposa e pleo filho dele. "Ela está mirando. Está se inclinando. Não está apenas apontando para o ar. Está tentando matá-los", garantiu Randall Kallinen, advogado da família.

Publicidade

A atendente defende não ser uma "pessoa raivosa" ou uma "monstra". "Sou apenas uma mulher tentando trabalhar pela minha família", completou. Isso porque, de acordo com ela, o cliente a havia ameaçado e a ofendido com insultos raciais.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

Inicialmente, Alonniea foi acusada pelo crime de agressão agravada com arma mortal. No entanto, se declarou culpada pela contravenção de conduta mortal, algo mais leve. Ela foi condenada à prestação de serviços comunitários, concluídos em junho deste ano.

No entanto, tanto ela quanto a lanchonete ainda respondem por ação cível movida pelos clientes, que alegam trauma após terem sido expostos a um funcionário perigoso.

Funcionário toma banho de leite em tanque de fábrica de laticínios

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.