Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Avião desaparecido pode ter se desintegrado

Suspeita vem do fato de os destroços do avião ainda não terem sido encontrados

Internacional|Do R7


Foto de arquivo mostra aeronave desaparecida da Malaysia Airlines
Foto de arquivo mostra aeronave desaparecida da Malaysia Airlines

Autoridades que investigam o desaparecimento do avião da Malaysia Airlines com 239 pessoas a bordo estão direcionando o foco de suas investigações para a possibilidade de uma desintegração em pleno voo, disse uma fonte sênior neste domingo (9).

O voo 370 da Malaysia Airlines desapareceu depois de alcançar a altitude de cruzeiro de 35 mil pés, entre Kuala Lumpur e Pequim, na madrugada de sábado (8), mas equipes de busca ainda não conseguiram confirmar nenhuma descoberta de destroços no mar abaixo da trajetória de voo da aeronave, quase 48 horas depois da sua decolagem.

Uma fonte que está envolvida nas investigações na Malásia disse que "o fato de não termos encontrado nenhum destroço até agora, parece indicar que o avião pode ter se desintegrado a cerca de 35 mil pés".

Malásia abre investigação por terrorismo após desaparecimento de avião

Publicidade

Interpol confirma que dois passaportes do voo desaparecido eram falsos

Se o avião tivesse mergulhado intacto dessa altura, rompendo-se apenas no impacto com a água, as equipes de busca deveriam encontrar uma quantidade bastante concentrada de destroços, disse a fonte, em condição de anonimato porque não foi autorizada a falar publicamente sobre a investigação.

Publicidade

A fonte falou pouco antes das autoridades vietnamitas dizerem que um avião militar tinha avistado um objeto, que suspeitava que fosse parte do avião desaparecido.

Questionado sobre a possibilidade de ter havido uma explosão, como uma bomba, a fonte disse que não havia ainda nenhuma evidência de que tenha acontecido um crime e que a aeronave poderia ter se partido devido a problemas mecânicos.

As autoridades da Malásia disseram que estão concentradas em encontrar o avião e se negaram a comentar, quando questionadas sobre as investigações.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.