Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Câmara de Lisboa é criticada por retirar sem-teto de avenida para evento que vai receber o papa

Operação ocorreu dias antes da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), com início nesta semana, e causou revolta na população

Internacional|Do R7

Funcionários da CML retiram barraca de um morador de rua
Funcionários da CML retiram barraca de um morador de rua Funcionários da CML retiram barraca de um morador de rua

A Câmara de Lisboa (CML) está recebendo críticas por ter armado uma operação para retirar os moradores de rua e as barracas em que eles estavam abrigados da avenida Almirante Reis, no centro de Lisboa. A cidade será palco da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), evento desta semana que contará com a presença do papa Francisco, o líder da Igreja Católica. As informações são do portal de notícias português SAPO24.

No dia 12 de julho, internautas se revoltaram com um vídeo que mostrava funcionários da CML lavando a calçada da avenida, onde habitavam vários sem-teto, e retirando as barracas deles do local (assista ao vídeo abaixo). Usuários das redes sociais acusaram o município de fazer uma "limpeza" da população de rua.

Ao SAPO24, a vereadora Sofia Athayde, responsável pelo Plano Municipal para as Pessoas em Situação de Sem-Abrigo de Lisboa, afirmou que rejeita a acusação feita ao município e explicou que a operação estava integrada ao plano de ação municipal para combater o problema da falta de moradia.

Ela esclareceu que a equipe social do município realiza regularmente visitas aos sem-teto com o objetivo de higienizar a via pública e encaminhar pessoas nessa situação para os serviços sociais.

Publicidade

Leia também

"O que aconteceu hoje na avenida Almirante Reis acontece diariamente em outros locais vulneráveis da cidade e está relacionado com uma intervenção municipal de apoio à saúde pública que é feita e levada a cabo por um conjunto de várias ações concertadas entre os vários serviços municipais", disse Sofia.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

"Esses tipos de ações vão continuar a acontecer no futuro, e nada têm a ver com eventos relacionados com a Jornada Mundial da Juventude, sendo esta uma confusão que fizeram de forma errada", acrescentou.

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) está recebendo críticas também por conta dos altos custos que o evento vai acarretar aos cofres públicos e pela falta de transparência dos contratos. Dados consultados pela agência Lusa no Portal Base da Contratação Pública e divulgados pelo portal Expresso apontam que o governo federal de Portugal fechou 27 dos 30 contratos sem licitação. O mesmo aconteceu na capital, Lisboa, que teve 67 dos 73 contratos relacionados com a JMJ sem os devidos trâmites, e em Loures, onde apenas dois dos 32 contratos foram licitados.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.