Internacional Contágios por Covid-19 disparam na véspera do Natal

Contágios por Covid-19 disparam na véspera do Natal

Espanha e Grécia retomaram a obrigatoriedade do uso de máscara em lugares abertos; Equador tornou a vacinação obrigatória

AFP
Pedestres caminham sob as iluminações de Natal em uma rua comercial em Madri, na Espanha

Pedestres caminham sob as iluminações de Natal em uma rua comercial em Madri, na Espanha

Susana Vera/Reuters - 08.12.2021

Os contágios por Covid-19 prosseguem em alta no mundo na véspera do Natal, consequência da rápida propagação da variante Ômicron, que motivou a Espanha e a Grécia a impor novamente o uso obrigatório da máscara nas ruas a partir desta sexta-feira (24).

Em seu discurso de Natal, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson fará um apelo aos compatriotas para que recebam a vacina contra a Covid-19, depois que o país superou nos últimos dois dias a marca de 100 mil novos casos da doença em 24 horas.

Para o Natal, "sempre há algo maravilhoso que você pode dar de presente à sua família e ao país inteiro [...] se vacinar, seja com a primeira, a segunda ou a dose de reforço”, afirma na mensagem que será veiculada nesta sexta-feira.

Na região da Catalunha, na Espanha, as autoridades retomaram o toque de recolher da 1h às 6h e limitaram, antes das festas de Natal, os encontros a no máximo dez pessoas.

A Grécia determinou o uso de máscara em locais fechados e abertos a partir desta sexta-feira até o dia 2 de janeiro. "Há muito movimento durante as festas de fim de ano, e as multidões se reúnem a céu aberto", disse o ministro da Saúde, Thanos Plevris.

O governo da Itália também pretende retomar a obrigatoriedade do uso de máscara em locais abertos, mas não divulgou a data em que a medida entrará em vigor.

Nos Estados Unidos, onde a variante Ômicron é dominante, 265.770 novos casos foram registrados na última quinta-feira (23), mas o balanço não dissuadiu milhões de cidadãos de viajar para celebrar o Natal e o fim do ano com a família.

Mais de 109 milhões de pessoas devem viajar de avião, trem ou carro entre 23 de dezembro e 2 de janeiro no país, número 34% maior que o do ano passado.

Os deslocamentos são acompanhados por um aparente aumento no ritmo de vacinação, especialmente das doses de reforço — o país aplicou 1,3 milhão dessas doses nas últimas 24 horas.

"O melhor presente que podem receber é uma dose de reforço", tuitou Cyrus Shahpar, diretor da Casa Branca para dados sobre a Covid-19.

Vacina obrigatória no Equador

O Equador tornou obrigatória a vacinação contra a Covid-19 de sua população a partir dos 5 anos de idade por causa da variante Ômicron, sendo o primeiro país do mundo a anunciar a medida.

No Equador, 69% dos 17,7 milhões de habitantes estão com o esquema vacinal completo.

O Chile, com mais de 86% da população totalmente vacinada, anunciou que vai aplicar uma quarta dose do imunizante anti-Covid a partir de fevereiro, a começar pelos grupos mais vulneráveis.

E o número de vacinas disponíveis aumentou na quinta-feira com a aprovação pela Organização Mundial da Saúde do primeiro fármaco produzido na América Latina, uma versão da vacina da AstraZeneca fabricada em conjunto pela argentina mAbxience e pela mexicana Laboratórios Liomont.

Estudos na África do Sul, Escócia e Inglaterra mostram que a Ômicron apresenta menor risco de hospitalização do que a variante Delta.

De acordo com a agência de saúde britânica, as pessoas infectadas com a nova cepa têm 50% a 70% menos probabilidade de internação.

Os cientistas, no entanto, pedem cautela. Embora a infecção por Ômicron seja menos virulenta, a cepa, por sua propagação mais rápida, pode afetar mais pessoas, o que faria com que, em termos absolutos, o número de hospitalizados e mortos aumentasse em um ritmo que provocaria o colapso do sistema de saúde.

Enfeites, luzes e máscaras: cenários do Natal de 2021 pelo mundo

Últimas