Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

'Culto à morte' e militarização de jovens na Rússia após ofensiva na Ucrânia

Professora chegou a ser sequestrada por não ensinar 'propaganda patriota' aos alunos de 13 anos

Internacional|Do R7


Já são cerca de 180 mil mortos no conflito entre Rússia e Ucrânia
Já são cerca de 180 mil mortos no conflito entre Rússia e Ucrânia

Quando a escola onde leciona em Moscou impôs cursos de patriotismo em setembro, Tatiana Chervenko se negou a ensinar "propaganda" a seus alunos do oitavo ano, de cerca de 13 anos, em pleno ataque russo contra a Ucrânia.

Em um primeiro momento, a professora ensinou matemática nas horas reservadas à educação patriótica mas logo, pressionada pela direção, abordou a temática, sem reproduzir o discurso do Kremlin.

O ato de resistência rendeu duas advertências. Em outubro, homens com o rosto coberto a sequestraram da escola, a colocaram em um veículo da polícia e a mantiveram retida por horas. Em dezembro, foi demitida.

Tatiana Chervenko, de 49 anos, se recusou a se submeter às ordens de sua hierarquia porque considerou as aulas em questão, denominadas "conversas importantes", como uma tentativa de militarizar o pensamento dos alunos.

Publicidade

"Querem fabricar soldadinhos. Alguns irão à guerra, outros fabricarão munições e outros criarão sistemas de informática para tudo isso", declarou à AFP.

Volta às aulas e Kalashnikov

O objetivo do Kremlin, ao lançar sua ofensiva contra a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, era conseguir uma vitória rápida, mas frustrou-se com a feroz resistência dos ucranianos, apoiados com remessas de armas ocidentais.

Publicidade

Agora, o governo afirma que a Rússia é alvo de uma guerra provocada pelo Ocidente e que todo e qualquer cidadão deve estar preparado para defender a pátria, traçando um paralelo com a luta contra os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Foi obedecendo a esta lógica que o presidente Vladimir Putin ordenou em setembro a mobilização de centenas de milhares de reservistas, civis, que hoje estão lutando e morrendo no front.

Publicidade

Para o sociólogo russo Grigori Yudin, o Kremlin prepara a população, tanto adulta quanto infantil, para uma "guerra existencial importante". E as "conversas importantes" nas escolas são parte desta estratégia, afirma.

Leia também

Os temas abordam o glorioso passado russo e soviético, símbolos nacionais e questões sociais relacionadas à família e à cultura. O Kremlin é visto como defensor do valores conservadores frente a um Ocidente decadente.

No vídeo o "Lugar da Rússia no mundo", exibido nas aulas de 13 de fevereiro, o ministro de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, responde a um garoto que lhe pergunta como "os jovens cidadãos podem ajudar seu país".

"Os desenhos que as crianças enviam ao front, vemos nas reportagens [...] O quão importantes são para os soldados", afirma o ministro.

Para Grigori Yudin, isto evidencia uma vontade de "transformação completa e radical da educação, para mobilizar a juventude russa a fazer a guerra".

Além disso, a Rússia espera que a partir do próximo ano letivo, que terá início em setembro, os alunos recebam treinamento militar básico, que inclui o manuseio de granadas e Kalashnikovs, como nos tempos soviéticos e na Guerra Fria. 

"A educação tem agora duas funções: fazer propaganda e dar uma formação militar de base", considera o especialista, que não quis revelar se foi para o exílio, como fizeram muitos dos seus colegas críticos do poder. 

Além disso, cartazes foram expostos nas ruas exaltando o Exército e os "heróis" nacionais. Desde março, o ato de desacreditar as forças militares pode ser punido com até 15 anos de prisão. 

Na televisão, os programas e documentários sobre o conflito na Ucrânia são onipresentes, reforçando a mensagem de uma nação que deve se mobilizar a todo custo.

Culto à morte

"A vida é muito superestimada", declarou Vladimir Soloviev, uma das principais vozes da máquina midiática russa, por exemplo, em janeiro. "Por que ter medo do inevitável?". 

A Igreja Ortodoxa também fez a sua parte, com o Patriarca Kirill assegurando que morrer no front compensava "todos os pecados".

"Há uma glorificação da guerra, elementos de um culto à morte", julgou Grigori Yudin.

Andrei Kolesnikov, cientista político do centro Carnegie, apontou que os dirigentes russos buscam formar uma sociedade que defenda o regime a ferro e fogo.

"As gerações futuras devem aplicar humildemente a vontade do Estado", disse ele. 

Muitos russos concordam, como Nikolai Karputkin, um visitante de um parque de diversões militar perto de São Petersburgo, onde as famílias podem observar os tanques e as crianças aprendem a atirar ou realizar uma ofensiva de infantaria com armas na mão. 

"Não estamos travando uma guerra contra a Ucrânia, mas uma guerra contra o Ocidente, uma guerra contra os valores ocidentais que eles querem nos impor", disse o homem, um pai de 39 anos.

"Devemos defender os valores tradicionais e a soberania da nossa pátria".

Mistério no mar: baleias aparecem mortas após se jogarem na praia na Europa e intrigam cientistas

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.