Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Ex-guarda-costas de Chapo fala sobre tortura e assassinatos

Isaías Valdez, que protegia Chapo em seus esconderijos nas montanhas, contou sobre as mortes de três rivais do traficante no julgamento

Internacional|Fábio Fleury, do R7

Isaías Valdez (de azul, no desenho) foi guarda-costas e auxiliar de El Chapo
Isaías Valdez (de azul, no desenho) foi guarda-costas e auxiliar de El Chapo Isaías Valdez (de azul, no desenho) foi guarda-costas e auxiliar de El Chapo

De membro das forças especiais do exército mexicano a guarda-costas, piloto e assessor de Joaquín "El Chapo" Guzmán, o traficante mais famoso do México. Esse é o currículo de Isaías Valdez Ríos, que testemunhou nesta quinta-feira (24) no julgamento do chefão nos EUA.

Valdez contou aos jurados sobre como conheceu o chefão, como era trabalhar fazendo a proteção dele nas montanhas de Sinaloa e, principalmente, sobre episódios de extrema violência de Chapo contra seus inimigos.

Vítima desconhecida

O primeiro assassinato que o ex-guarda-costas relatou na audiência aconteceu em meados de 2007. Segundo ele, um sócio de Chapo ligou para o traficante, avisando que um homem dos Bertrán-Leyva, com quem o cartel estava em guerra, havia sido capturado e fora enviado para um "interrogatório".

Publicidade

No depoimento, Valdez explicou que o homem já havia sido torturado e foi entregue em péssimas condições, com queimaduras e marcas de violência por todo o corpo.

"O senhor Joaquín ficou bastante irritado", relatou. "Ele disse 'como eles foram me mandar esse cara nesse estado? Era melhor já terem matado esse infeliz.'"

Publicidade

O chefão, então, virou as costas e foi dormir. O homem, que não teve a identidade revelada no julgamento, foi deixado por três dias em um depósito e só então começou o interrogatório.

Leia também

Depois de mais alguns dias de tortura, o homem foi levado a um cemitério, onde os capangas do chefão tinham aberto uma cova. Chapo deu dois tiros na vítima, que foi jogada no buraco. "Ele ainda estava tentando respirar e foi assim que nós o enterramos", contou Valdez.

Publicidade

Guerra contra os Zetas

Em outro episódio, o ex-guarda-costas contou como dois membros dos Zetas, gangue que atuava como braço armado do cartel do Golfo durante uma guerra contra o cartel de Sinaloa — liderado por Chapo — foram capturados e torturados.

O chefão estava escondido no estado de Durango e ordenou que seus homens levassem os Zetas para um local afastado, no meio do mato e bateu neles por quase duas horas com um pedaço de madeira.

Em seguida, ele mandou que os capangas abrissem uma cova na terra, enchessem de galhos e acendessem uma fogueira. "O sr. Joaquín não disse muito, ele só chegou com um rifle, encostou na cabeça de um, xingou e deu um tiro. Fez o mesmo com o outro", disse Valdez.

Chapo mandou que os dois Zetas fossem jogados na fogueira e que seus homens alimentassem as chamas até que os corpos fossem totalmente consumidos. "Ficamos lá até quase de manhã", contou o guarda-costas.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.