Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Holanda interceptou ligações de El Chapo para o FBI

Graças a esta operação de espionagem, o FBI pôde escutar pela primeira vez em anos a voz de El Chapo e analisar seu estilo de vida

Internacional|Do R7

Leis de privacidade são mais relaxadas na Holanda
Leis de privacidade são mais relaxadas na Holanda Leis de privacidade são mais relaxadas na Holanda

A polícia holandesa interceptou as comunicações telefônicas do narcotraficante mexicano Joaquín "El Chapo" Guzmán Loera a pedido do FBI porque as leis de privacidade da Holanda são menos estritas que as dos Estados Unidos e do Canadá, confirmou nesta quarta-feira (9) uma fonte oficial.

As escutas telefônicas aconteceram durante 18 meses, entre 2011 e 2012, embora a equipe especializada da polícia só tenha sido informada de que se tratava de "comunicações entre membros do cartel de Sinaloa" e não do então líder da organização, segundo recolhe o jornal holandês Volkskrant.

Em 2013, dois agentes do FBI viajaram à Holanda para informar à equipe sobre a importância da operação que haviam realizando e que o alvo principal das escutas era "El Chapo".

Leia também

Graças a esta operação de espionagem, o FBI pôde escutar pela primeira vez em anos a voz de "El Chapo" e obter uma imagem completa de sua extensa organização criminosa e de seu estilo de vida.

Publicidade

As operações de escutas telefônicas foram habilitadas por um informante do FBI, que tinha estabelecido uma rede Blackberry para as comunicações da organização de "El Chapo".

O servidor utilizado para armazenar as conversas telefônicas foi instalado primeiro no Canadá, mas as estritas leis de privacidade no país obrigaram o FBI a buscar uma solução alternativa colocando o sistema em um centro de dados operado pela empresa Leaseweb nos arredores da cidade holandesa de Haarlem, ressaltou a fonte.

Publicidade

"El Chapo", que conseguiu escapar da prisão várias vezes, está sendo julgado nos EUA acusado de crimes relacionados com o narcotráfico e lavagem de dinheiro.

Segundo o jornal holandês, a cooperação entre Holanda e EUA nas investigações de crimes é "muito estreita" e atualmente há 125 solicitações similares, cuja legalidade está sendo verificada pelo Ministério Público, pois vão desde o uso de servidores informáticos até os históricos de Whatsapp.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.