Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Índia elege pela segunda vez uma mulher como presidente do país

Com origem em uma tribo marginalizada, Droupadi Murmu foi escolhida por mais da metade dos parlamentares indianos

Internacional|Do R7


Droupadi Murmu terá cargo considerado simbólico na política indiana
Droupadi Murmu terá cargo considerado simbólico na política indiana

Uma mulher pertencente a uma comunidade tribal marginalizada foi eleita presidente da Índia nesta quinta-feira (21), com o apoio do partido do primeiro-ministro Narendra Modi, após uma votação no Parlamento.

Droupadi Murmu, da tribo santhal, obteve o apoio de mais da metade dos deputados, segundo os resultados parciais publicados pela Comissão Eleitoral.

Aos seus 64 anos, Murmu se torna a primeira presidente natural de uma tribo e a segunda mulher presidente da Índia, depois de Pratibha Patil, que ocupou o cargo durante cinco anos a partir de 2007.

Modi tuitou para parabenizar Murmu, dizendo que seu "sucesso exemplar motiva cada indiano". "Surgiu como um raio de esperança para nossos cidadãos, especialmente os pobres, marginalizados e oprimidos", comentou.

Publicidade

Seu rival mais próximo, o opositor Yashwant Sinha — ex-membro do Partido Bharatiya Janata (BJP, na sigla em inglês) e ex-ministro das Finanças e Relações Exteriores — também tuitou seus parabéns.

"A Índia espera que, como 15ª Presidente da República, guarde a Constituição sem medo ou favor", escreveu Sinha.

Publicidade

Nascida no distrito de Mayurbhanj, no estado de Odisha, a presidente eleita começou sua carreira como professora antes de ingressar na política. Ela ocupou cargos ministeriais no governo estadual e foi governadora do estado vizinho de Jharkhand.

"Como uma mulher tribal do remoto distrito de Mayurbhanj, não pensei em me tornar candidata ao primeiro lugar", disse ela a repórteres logo após sua nomeação este mês.

Murmu era favorita devido à força do BJP no poder e seus aliados tanto no parlamento quanto nas assembleias estaduais. Mas o cargo é em grande parte cerimonial e sua eleição não deve fazer uma diferença prática para a comunidade tribal, há muito relegada à margem da sociedade.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.