Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Indígenas de ex-colônias do Reino Unido exigem de Charles 3º desculpas por 'legado de genocídio'

Monarca, que será coroado no fim de semana, sofre críticas de entidades da Commonwealth

Internacional|Do R7


Coroação de charles 3º acontece no próximo sábado (6)
Coroação de charles 3º acontece no próximo sábado (6)

Líderes indígenas de ex-colônias britânicas exigiram nesta quinta-feira (4) que o rei Charles 3º apresente um pedido de desculpas por "séculos de racismo" e o "legado de genocídio", crimes que atribuem à Coroa.

Em uma carta divulgada dois dias antes da coroação do novo monarca, representantes indígenas de 12 países da Commonwealth também pediram indenizações financeiras e a devolução dos tesouros culturais roubados.

O texto é assinado por líderes da Austrália, cuja população indígena foi massacrada e expulsa de suas terras por colonos britânicos, e de vários países do Caribe que foram atacados para a busca de escravizados.

O grupo afirma que está unido para ajudar sua população a "recuperar-se de séculos de racismo, opressão, colonialismo e escravidão".

Publicidade

Nos últimos anos, Charles 3º tentou estabelecer uma aproximação dos líderes indígenas, diante dos apelos à responsabilização da monarquia por suas ligações com o comércio de escravizados e o legado de violência do Império Britânico.

Embora Charles 3º já tenha admitido que a Coroa deve "reconhecer os erros" do passado, a carta pede ao novo rei um passo a mais, com um pedido formal de desculpas.

Publicidade

A ex-atleta olímpica Nova Peris, a primeira mulher aborígene eleita para o Parlamento Federal da Austrália, é uma das signatárias.

Crítica dos vínculos da Austrália com a família real, Peris disse que chegou o momento de "reconhecer as consequências terríveis e duradouras" da colonização e o "legado de genocídio" sentido por muitas populações indígenas.

A carta pede ao novo monarca o início de conversações para indenizar as populações indígenas, que que sofreram o saque de seus tesouros e a destruição de sua cultura.

O texto também é assinado por representantes do Canadá, Nova Zelândia e Papua Nova Guiné.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.