Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Sobe para 54 o balanço de mortos do atentado no Paquistão

Ação reivindicada pelo Estado Islâmico teve como alvo um comício do partido religioso conservador Jamiat Ulema-e-Islam

Internacional|Do R7


Ataque a bomba matou 54 pessoas no Paquistão
Ataque a bomba matou 54 pessoas no Paquistão

O balanço de mortos por um atentado contra um comício no noroeste do Paquistão subiu para 54 nesta segunda-feira (31) e o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) reivindicou o ataque.

O atentado ocorrido na cidade de Jar, perto da fronteira com o Afeganistão, teve como alvo o partido religioso conservador Jamiat Ulema-e-Islam (JUI-F), um importante aliado da coalizão governamental.

"O número de mortos agora subiu para 54", disse à AFP Shaukat Abbas, um alto funcionário do departamento antiterrorista, e acrescentou que 23 vítimas eram menores de 18 anos. Anwar ul Haq, comissário adjunto do distrito, confirmou o número de mortos.

O partido JUI-F organizou uma reunião sob uma tenda com a presença de mais de 400 membros e simpatizantes.

Publicidade

Também nesta segunda, o EI reivindicou o ataque e informou, em um comunicado emitido pelo Amaq, o órgão de comunicação do grupo, que um combatente detonou um colete explosivo em meio à multidão.

Sapatos ensanguentados ainda estavam no chão, assim como parafusos de aço e outros itens do colete usado pelo autor do ataque.

Publicidade

Leia também

Pedaços de corpos ainda podiam ser vistos a 30 metros do local onde o homem detonou o artefato.

"Vivi cenas terríveis: corpos sem vida espalhados pelo chão enquanto as pessoas gritavam por socorro", disse à AFP Fazal Aman, que estava perto da tenda quando a bomba explodiu.

Publicidade

Milhares de pessoas compareceram aos primeiros funerais nesta segunda-feira.

O ataque de domingo ocorreu poucas semanas antes da dissolução da Assembleia Nacional do país, tendo em vista as eleições marcadas para outubro ou novembro.

Os partidos políticos já fazem campanha para estas eleições e o ataque desperta temores de um período eleitoral violento no país, que vive uma grave crise política desde a destituição do primeiro-ministro Imran Khan em abril de 2022.

Ucrânia inicia obra para trocar símbolo comunista de monumento histórico e provoca a ira da Rússia

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.