Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Suspeito de tiroteio em Paris expressou 'ódio a estrangeiros', diz procuradora

Representantes curdos pediram que o tiroteio seja considerado um ataque terrorista

Internacional|Do R7


O suspeito detido pelo assassinato de três curdos em Paris contou aos investigadores sobre seu "ódio a estrangeiros", disse a procuradora de Paris neste domingo (25).

O homem, de 69 anos, foi preso na sexta-feira (23) depois de matar a tiros dois homens e uma mulher em um centro cultural curdo e um café curdo, no 10º distrito de Paris.

As mortes chocaram uma comunidade que se preparava para marcar o décimo aniversário do assassinato não solucionado de três ativistas e provocaram protestos que levaram a confrontos com a polícia.

O suspeito disse durante interrogatório que um roubo em sua casa em 2016 desencadeou um "ódio a estrangeiros que se tornou totalmente patológico", disse a procuradora Laure Beccuau em comunicado.

Publicidade

Depressivo e com tendências suicidas

O homem se descreveu como depressivo e com tendências suicidas e contou que planejava se matar com uma última bala após o ataque, segundo a procuradora.

Uma busca na casa dos pais do suspeito, onde ele morava, não encontrou evidências de nenhuma ligação com ideologia extremista, disse ela, acrescentando que ele primeiro procurou vítimas em potencial em um subúrbio da capital francesa, mas abandonou o plano depois de encontrar poucas pessoas no bairro.

Publicidade

Representantes curdos pediram que o tiroteio de sexta-feira seja considerado um ataque terrorista.

O suspeito permanecia em uma unidade psiquiátrica neste domingo, depois que seu interrogatório foi interrompido no sábado por motivos médicos, afirmou a procuradora.

Publicidade

Em relação a outras três pessoas feridas no tiroteio, duas ainda estão no hospital, mas fora de perigo, acrescentou.

A procuradora dissera anteriormente que o suspeito havia sido libertado da detenção recentemente enquanto aguardava julgamento por um ataque com sabre em um campo de imigrantes em Paris havia um ano.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.