Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Troca de prisioneiros no Iêmen pode significar fim da guerra

Conflito no país mergulhou os iemenitas em uma profunda crise humanitária, segundo a ONU

Internacional|Do R7, com informações da AFP

Grande operação de troca começou na sexta-feira (14) e pode significar fim de conflitos
Grande operação de troca começou na sexta-feira (14) e pode significar fim de conflitos Grande operação de troca começou na sexta-feira (14) e pode significar fim de conflitos

Mais de cem prisioneiros de guerra viajaram nesta segunda-feira (17) da Arábia Saudita para o Iêmen, após a troca de 869 detidos neste fim de semana em uma operação que relançou as esperanças de paz no país, anunciou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Dois aviões do CICV, com 48 prisioneiros cada, partiram para Sanaa e outros oito detidos voaram para Aden, a grande cidade do sul onde fica a sede do governo do Iêmen. 

O conflito começou em 2014, quando os rebeldes houthis, que viviam no norte, tomaram a capital e exilaram o governo reconhecido internacionalmente e mílicias locais no sul. 

Essa operação "unilateral" é independente da troca de prisioneiros realizada entre sexta e domingo, disse Jessica Moussan, porta-voz do CICV, à AFP. "Saudamos esta iniciativa e estamos felizes que considerações humanitárias estejam sendo levadas em conta com o objetivo de reunir as famílias", comentou.

Publicidade

A troca de detidos ocorreu como parte de um acordo concluído em março na Suíça entre o governo do Iêmen, apoiado por uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, e os rebeldes houthi, apoiados pelo Irã.

Leia também

É a troca mais importante desde a libertação de mais de mil prisioneiros em outubro de 2020 e abre as portas para uma possível resolução pacífica de um conflito que mergulhou o Iêmen em uma profunda crise humanitária.

A guerra deixou centenas de milhares de mortos e milhões de deslocados, além de epidemias, falta de água potável e fome aguda, segundo a ONU. Nenhum dos lados obteve ganhos territoriais em anos, e, apesar de alguns momentos de "cessar-fogo", a trégua mais formal começou recentemente, em abril de 2022, e acabou com os combates diretos.

Ucrânia comemora Páscoa neste domingo, marcada pela guerra

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.