Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Adoção obrigatória de bebês de usuárias de drogas provoca discussão em BH

Segundo defensora pública, 120 crianças foram retiradas das mães em 2015 

Minas Gerais|Enzo Menezes, do R7*


Por recomendação do Ministério Público, hospitais públicos devem informar se parturiente é usuária de drogas
Por recomendação do Ministério Público, hospitais públicos devem informar se parturiente é usuária de drogas

Bebês de usuárias de drogas devem ser entregues à adoção? Por recomendação do Ministério Público, pelo menos 120 crianças foram levadas de maternidades para abrigos entre janeiro e maio deste ano, em Belo Horizonte, com a justificativa de que a mãe não teria condições de cuidar da criança por conta da dependência química. O número é o dobro do registrado no mesmo período em 2014.

Em audiência pública na Assembleia Legislativa, na última quinta-feira (21), defensores públicos, psicólogos e deputados criticaram a medida. Nenhum representante da Promotoria de Justiça da Infância e Juventude Cível compareceu. 

Leia mais notícias de Minas Gerais no Portal R7

A defensora pública Adriane da Silveira Seixas critica a entrega compulsória e alerta que a diferenciação entre "usuária" e "dependente" deve ser considerada.

Publicidade

— Só se deve encaminhar uma criança para adoção se for comprovada negligência da mãe e da família. Os profissionais de saúde estão se sentindo obrigados a encaminhar todos os casos, sem critério algum de avaliação.

Cláudia Natividade, do Conselho Regional de Psicologia, considera a medida "uma violência institucionalizada contra as mulheres". "É a criminalização da pobreza", destaca a defensora Júnia Roman Carvalho.

Publicidade

Editada em junho de 2014, a recomendação do MP determina que maternidades públicas de BH informem partos de mulheres que relataram uso de drogas e que as crianças sejam entregues para a adoção. O problema, segundo Marcia Parizzi, da Secretaria Municipal de Saúde, é que isso leva pacientes a abandonarem o pré-natal com medo de perderem a criança.

— Se a mãe sabe que vai ser delatada, ela não vai aderir a nenhum tratamento. Temos muitos casos bem-sucedidos de recuperação de mulheres em liberdade em sua casa, com seu filho.

Publicidade

A deputada Ione Pinheiro (DEM) questiona a separação abrupta entre mães e filhos.

— Não há vagas nos abrigos e as crianças vão ficando no hospital, até com risco de contrair infecção. Que cuidado é esse com nossas crianças?

Segundo o o Ministério Público, a recomendação nº 6/2014 prevê que gestantes ou mães que tenham interesse em entregar crianças para adoção devem ter o contato com a Justiça facilitado pelas equipes do hospital. O documento também alerta que "casos de gestantes e mães usuárias de substâncias entorpecentes sejam comunicados à Vara da Infância e Juventude de Belo Horizonte para providências cabíveis". Nenhum dos três promotores que assinam o documento foi encontrado pela reportagem. 

* Com informações da Assembleia Legislativa 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.