Minas Gerais Justiça suspende porte de arma de suspeito de atirar contra professora

Justiça suspende porte de arma de suspeito de atirar contra professora

Procurador também foi proibido de frequentar bares e restaurantes, além de não poder sair de Belo Horizonte por mais de 15 dias sem avisar a Justiça

Procurador foi solto após pagar fiança

Procurador foi solto após pagar fiança

Reprodução / Record TV Minas

O procurador suspeito de atirar contra uma professora após uma briga de trânsito em Belo Horizonte foi proibido pela Justiça de frequentar bares e restaurantes. A decisão atende a um pedido do procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet, que abriu uma investigação sobre o caso.

O desembargador Júlio Cezar Guttierrez também determinou que Bertoldo Mateus Oliveira, de 59 anos, não pode deixar a cidade por mais de 15 dias sem avisar a Justiça. O suspeito ainda foi proibido de manter contato com a vítima e com as testemunhas do caso e teve o porte de arma de fogo suspenso. As determinações, que cabem recursos, valem por pelo menos 90 dias a partir da data de intimação.

Leia também: Procurador que ameaçou professora também sacou arma em pizzaria

Na última semana, o MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), além de abrir uma investigação para apurar os fatos, determinou o afastamento de Oliveira do cargo de coordenador estadual de Defesa do Direito de Família, das Pessoas com Deficiência e dos Idosos. Segundo o órgão, o procurador voltou às atividades na área cível.

A reportagem tentou contato com o procurador para comentar as medidas estabelecidas contra ele, mas as chamadas não foram atendidas. Sobre o suposto ataque na briga de trânsito, Oliveira disse ao R7 na semana passada que não vai comentar sobre o assunto.

O caso

A confusão aconteceu na noite do dia 1º de outubro. Imagens de circuito de segurança mostram o momento em que o carro que seria de Oliveira esbata no veículo da professora Simone Vaz, que saia de um restaurante.

Na época, a professora relatou à reportagem que foi seguida pelo carro que bateu no veículo dela. Quando entrava na garagem de cassa, o procurador teria ofendido Simone e atirando contra a professora e a companheira dela. As duas se esconderam atrás de uma pilastra e não foram atingidas. Oliveira foi levado para delegacia, onde prestou esclarecimentos e foi liberado após pagar fiança.

Últimas